Fotos: Farol de Notícias/Celso Garcia

Publicado às 14h desta sexta-feira (8)

Com informações da repórter Josi Souza

Nesta sexta-feira (8) aconteceu mais um ‘round’ entre os professores de Serra Talhada e a Secretaria Municipal de Educação, em busca de um consenso em torno do reajuste do piso salarial de 33,24%. Por cerca de três horas, dezenas de docentes se reuniram em assembleia promovida pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação (Sintest), no Centro Pastoral da Penha. Foi a primeira reunião após a secretaria ter emitido uma nota pública, ameaçando punir o movimento, que encontra-se em estado de greve.

Em conversa com o Farol, o presidente do Sintest, Júnior Moraes, revelou que a categoria descartou uma proposta apresentada pelo governo Márcia Conrado, se mantém em estado de greve até a prefeitura apresentar uma contraproposta.

“Nós chegamos a seguinte conclusão na assembleia: a gente reprovou a nova proposta que veio do governo, eram duas que foram reprovadas por unanimidade e nós aprovamos, em assembleia, uma nova proposta para reajuste salarial, concedendo 24% de reajuste para todos os professores na carreira, ou seja, não teria prejuízo na questão do piso, não reduzimos os percentuais, que era uma proposta da gestão, no que diz o plano de carreira, ou seja, vai se manter os 7% por titulação e os 3% a cada 5 anos. Também foi aprovado a correção em relação ao restante da categoria, que é a categoria composta pelo pessoal que a gente pode chamar de apoio que são: serviços gerais, administrativo, merendeira, auxiliar de creche, enfim. Esse pessoal todo aí com um reajuste de 15,19% que justamente a correção do INPC”, explicou Moraes, reforçando:

Veja também:   Prefeitura suspende atividades presenciais

“Para ficar muito claro a situação, nós estamos fazendo um gesto extremamente positivo para a gestão, que é justamente suspender, nesse momento, as paralisações durante essa próxima semana, mas vamos nos manter mobilizados para que na próxima semana o município tendo qualquer outra contraproposta nesse sentido a gente vai chamar a assembleia e a partir daí vamos ver o que de fato pode acontecer”.