Publicado às 14h30 desta terça (12)

Fotos: Celso García/Farol

Com o plenário da Câmara de Vereadores lotado, o polêmico projeto de reajuste do piso salarial dos professores municipais de Serra Talhada, enviado na última sexta-feira (8) pelo governo Márcia Conrado, foi lido nesta terça-feira (12) e agora segue para debate nas comissões temáticas. Muito criticado pela categoria, especialmente, pela retirada de direitos conquistados, o projeto, da forma como está, não deverá seguir para votação até que os vereadores escutem o contraponto dos representantes sindicais, que irão apontar mudanças urgentes na medida.

O presidente da Casa Joaquim de Souza Melo, Ronaldo de Dja, ponderou pelo diálogo tranquilizando a categoria para uma condução sensata. Sem o risco de haver ‘rolo compressor’ em favor do governo, já que a categoria temia pela entrada do projeto para votação sem qualquer debate com os trabalhadores. “A gente fez um compromisso, os 17 vereadores, que quando esse projeto chegasse aqui na Câmara, a gente iria se reunir com a classe para que pudesse discutir o que fosse melhor para colocar em votação”, disse Ronaldo de Dja, em entrevista à rádio Cultura FM, e completou:

“Foi uma palavra cumprida por esta Casa, de que no momento que chegasse o projeto dos professores, a gente iria fazer a leitura e convidar todos os sindicatos e representantes da classe para que a gente pudesse chegar num consenso e levar para a primeira votação. Na quinta-feira (21), após a Semana Santa, a gente vai reunir as comissões e votar oficialmente com todos os sindicatos presentes. A gente jamais quer atropelar sindicato, jamais iríamos votar escondido, é compromisso dessa Casa sempre estar aberta. É assim que devemos discutir. Convidar todos os sindicatos para chegarmos a um consenso que é o melhor para a educação de Serra Talhada. Terça-feira (18) teremos a sessão normal, mas o projeto não irá entrar [em pauta]”.

RECADO À DIREÇÃO DO SINTEST

Durante a entrevista, Ronaldo de Dja também revelou insatisfação sobre como a direção do Sintest (Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Serra Talhada) vinha conduzindo o processo de debate sobre o projeto até agora, sem buscar qualquer diálogo com a Câmara Municipal.

Veja também:   Após decisão judicial, polícia prende homicida em Serra Talhada

“A gente tem feito, esse trabalho procurando se unir, procurando estar junto. Diferente do que vimos um outro sindicato, que se reúne com a prefeita, discute com a prefeita, mas sequer busca essa Casa para discutir. Digo isso pelo Sintest que nunca nos procurou”, alfinetou Ronaldo de Dja, reforçando:

“Mas sim, o Movimento Livre, o Carlos Antônio [da Aprost], o Sinpro, que sempre estão aqui nessa casa. E nesse movimento o Sintest nunca procurou a Casa, sempre discutiu com o governo mas nunca trouxe a proposta para discutir com os vereadores. Depois que os vereadores começaram a cobrar a presença do Sintest, foi que começou vir a essa Câmara se posicionar”.

REBATENDO VEREADORES

Provocado acerca da fala dos vereadores sobre a postura do Sintest, o presidente do sindicato, Júnior Moraes, devolveu: “Quando a gente recebe esse tipo de comentário, deixo muito claro que na verdade a gente tem que procurar a Câmara de Vereadores no momento certo. Não tinha como a gente procurar a Câmara de Vereadores no momento em que está discutindo valores. A Câmara de Vereadores até ajuda muito neste sentido, porém o projeto vir para a Câmara é depois de uma discussão ampla, batida e debatida junto com o governo municipal e isso a gente tentou fazer”, justificou o presidente sindical, complementando:

“Nós observamos aqui algumas falas extremamente tendenciosas de alguns vereadores e isso me chateia pra caramba, porque teve muita coisa relacionada a minha pessoa, especificamente. Teve situação que foi relacionada ao jurídico, à advogada do sindicato também de forma injusta, não havia necessidade alguma disso. Houve falas direcionadas ao próprio Sintest que não teria vindo conversar com os vereadores… Pelo que a gente viu na fala de alguns vereadores é uma tentativa de desmobilizar toda a categoria, de desmobilizar a educação. E minha fala foi para justamente chegar junto, de chamar aqueles que estão um pouco distantes, e sobretudo para que a gente não caia nessa situação de brigar entre a gente”, alertou Moraes.

“PRECISAMOS NOS UNIR”

Assim que a acabou a sessão, o presidente do Sintest puxou um alerta geral, dizendo: “Segunda-feira, para que a gente possa tomar as medidas cabíveis de acordo com que aquilo que a gente decidiu em assembleia, uma assembleia legítima, onde tinha todos os representantes e o governo municipal nem sequer recebeu a nossa contraproposta. Para isso, eu peço que vocês continuem mobilizados, com atenção naquilo que a gente puder conversar. Então, a partir de hoje a gente para, amanhã a gente não trabalha também e vamos nos encontrar aqui segunda-feira. E deixando claro, junto com o pessoal da Aprost, do Sinpro, do Movimento Livre, nós não podemos cair nessa tentativa de desunião entre a gente, a gente não pode brigar entre nós, os nossos inimigos não estão aqui. E vocês [Aprost, Sinpro, Movimento Livre] precisam estar juntos, serão muito bem vindos, pois a gente precisa discutir”.

Veja também:   Médica denuncia cenário de hospitais de PE

“NÃO É BOM PARA OS TRABALHADORES”

Júnior Moraes lamentou que o projeto tenha chegado à Câmara Municipal sem diálogo com a categoria. “Na assembleia da última sexta (8), estávamos lá no intuito de mostrar uma contraproposta à gestão municipal. Mas a seu bem querer [o governo Márcia] encaminhou à Câmara de Vereadores este projeto que foi lido [nesta terça], que a gente avalia que não foi bom para os trabalhadores”, afirmou Moraes.

A estratégia agora é manter o estado de greve até a próxima assembleia da categoria, prevista para ocorrer na segunda-feira (17), na Câmara Municipal. Para a reunião, Júnior Moraes convocou não só o Sintest, mas a Aprost (Associação de Professores de Serra Talhada) e o Movimento Livre, que representa os aposentados. Com isso, até lá, a categoria paralisa e não haverá aulas.

“Faremos essa nova assembleia para vermos quais serão os encaminhamentos a partir de agora, pois tem muita coisa dentro do projeto que a gente não concorda, tem coisas no projeto que precisam ser incluídas, a gente vai lutar até o fim pela não retirada de direitos, e nesse momento esse projeto fere com muita força a questão da redução do PCC (Plano de Cargos e Carreiras) e a gente vai lutar com unhas e dentes para que isso não aconteça e lutar com unhas e dentes para que garanta o mínimo possível para o restante da categoria que precisa de um mínimo de reajuste”.