Quem foi o 'herói sem rosto' e por que ele foi morto
Tiradentes em obra de Décio Villares Imagem: Tiradentes/ Décio Villares

Por UOL

A vida e a morte de Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes, são celebradas hoje (21) em território nacional.

Por conta do seu envolvimento na Inconfidência Mineira, Tiradentes foi enforcado e esquartejado em 21 de abril de 1792. Séculos depois, o inconfidente ainda é lembrado por seu sacrifício.

Quem foi Tiradentes?

A maioria dos conspiradores da Inconfidência Mineira eram homens ricos e cultos como Cláudio Manuel da Costa e Tomás Antônio Gonzaga.

Um herói nascido na região centro-sul do país, que morreu sem pegar em armas, traído por um amigo, o Silvério dos Reis, à semelhança da trágica histórica de Jesus Cristo.
André Figueiredo Rodrigues, historiador, à BBC.

Veja também:   Saiba como funciona os comércios essenciais

O império condenou os inconfidentes. Todos os que tinham posses conseguiram escapar da pena máxima, trocando-a pela prisão ou pelo exílio. Tiradentes, em contrapartida, teve a forca como destino. Ele ainda teve o corpo esquartejado para que seus membros ficassem expostos ao público, de modo a desencorajar outras tentativas de rebelião.

Os principais fatos de Serra Talhada e região no Farol de Notícias pelo Instagram (clique aqui)

“Não havia representação visual de Tiradentes e os artistas tiveram liberdade para desenhá-lo como desejaram. Um país católico, com um herói com traços nazarenos, inventados por artistas desde o nascimento da República: Tiradentes, iconograficamente, venceu. Sua escolha não foi aleatória”, completou Figueiredo, que é autor do livro Em Busca de Um Rosto: a República e a Representação de Tiradentes.

Veja também:   Saiba o que funciona em Serra Talhada no Feriado de Tiradentes

Executado como um criminoso, Tiradentes se transformou no primeiro herói brasileiro, logo após a proclamação da Independência, em 1822.

Foi apenas em 9 de dezembro de 1965, porém, que o dia 21 de abril —data do enforcamento de Tiradentes— foi considerado feriado nacional. Isso foi instituído pelo presidente Castelo Branco, por meio da Lei N. 4.897. Na oportunidade, também foi concedido o título de “Patrono da Nação Brasileira” a Tiradentes.