Publicado às 05h19 desta sexta-feira (14)

FOTOS: Celso García/do FAROL

Com a pandemia e sobretudo a alta dos casos de gripe e suas variantes na região, a procura do consumidor por antigripais também está aumentando, tanto por medicamentos de laboratórios quanto por ervas medicinais. Em visita ao raizeiro Raimundo Leite, 75 anos, vendedor no Pátio da Feira, em Serra Talhada, o Farol apurou que a procura por produtos para gripe e imunidade vem crescendo desde o início da pandemia e tem alavancado o comércio do trabalhador possibilitando ampliar o espaço de trabalho e os produtos ofertados.

”Sem dúvida nenhuma a procura por produtos para gripe aumentou. Eu não sou contra a farmácia, mas tudo que tem na farmácia vem das ervas. Vou dar o exemplo de um senhor que estava com um problema de infecção e alguém falou: ‘usa a casca de aroeira’. Ele falou: ‘não, eu vou comprar um xarope na farmácia.’ Quando chegou lá, comprou o xarope quando foi olhar na bula: a base de aroeira. Então, aí está a resposta. Donos de farmácias vem comprar lambedor, aroeira, barbatimão, mulungú e outras coisas”, afirmou Raimundo, continuando:

”O que eu tenho vendido muito é o lambedor caseiro que eu mesmo faço. O principal para gripe é umburana de cheiro, jatobá, angico e papaconha, esses são os quatro principais expectorantes, principalmente para o pulmão. Uns compram o lambedor de que faço e outros compram as ervas e levam para fazer em casa. Se atender 10 clientes hoje, posso dizer  que 100% devem procurar produtos para a gripe porque tomam os de farmácia e não vêm resultado”.

VOZ DO CLIENTE

Durante o momento que a reportagem do Farol esteve com o raizeiro, teve a oportunidade de conversar com Meuricleia Ferreira da Silva, 45 anos, cabeleireira, moradora do bairro Bom Jesus, que chegou na banca de Raimundo para comprar seu famoso lambedor para gripe e levar para o netinho de 2 anos em Petrolina. Ela não só aprova o conceito de ervas medicinais como também faz uso e indica para os familiares.

”’Sempre compro aqui com ele e vou levar o xarope para meu neto, em Petrolina, mandei meu filho comprar lá, mas não é natural como o daqui. Eu fui domingo para lá e estava todo mundo gripado, fiz vários chás, fiz uma mistura de mel e açafrão e graças a Deus estão melhor. Tomo medicamento da farmácia, mas os naturais ajudam muito. Ele está lavando a cabeça com alecrim e meu filho está tomando chá de açafrão com alho, limão e mel. Quando gripei tomei o chá também só duas vezes, fiquei boa e estive lá com todo mundo gripado e não gripei”, afirmou a cliente.