Fotos: Celso Garcia/Farol de Notícias

Publicado às 13h12 desta segunda-feira (16)

Foram anos de luta para destravar o SAMU da III Macrorregião de Saúde de Pernambuco, em Serra Talhada, realizado pelo Consórcio de Integração dos Municípios do Pajeú (Cimpajeú), inaugurado há 8 meses. Apesar dos serviços prestados à população durante esse período, segundo um funcionário da unidade, que pediu anonimato, a situação está precária correndo o risco de fechar devido ao sucateamento e atraso de salários.

”Temos uma situação complicada lá, este serviço que é de suma importância para a população corre risco de fechar. A empresa detentora da administração da unidade está em atraso de salários, fornecedores e tem no interior da sede do SAMU um monte de ambulâncias que mais parece um ferro-velho. A empresa alega que não está recebendo o repasse do consórcio Cimpajeú e não consegue arcar com seus compromissos”, revelou o funcionário, continuando:

”O serviço está a beira de parar, são mais de 150 profissionais sem salário há mais de 10 dias, todos são contratados e regidos pelo regime CLT, sendo assim, a empresa tem compromisso de até o quinto dia útil do mês pagar seus honorários. Se o problema for político, que na minha opinião deve ser, alguém tem que mostrar para população o que está acontecendo. Porque dinheiro as prefeituras têm, basta ver o tamanho dos gastos com festas.”

O OUTRO LADO

Após ouvir o colaborador, a reportagem do FAROL esteve na sede do SAMU, na manhã desta segunda-feira (16), conversou com um responsável e apurou que este foi o primeiro mês de atraso e que o problema está ocorrendo pela falta de repasse das prefeituras que fazem parte do Cimpajeú.

Veja também:   Saiba o que funciona em Serra Talhada nesta sexta-feira (24)

NOTA DO SAMU

“O que está acontecendo é que, não é que Cimpajeú não esteja repassando para a ITGM, não está repassando porque os municípios, os prefeitos, não estão pagando em dia ao Cimpajeú que é quem passa o dinheiro para a ITGM. Nunca houve essa quantidade de dias em atraso, realmente existe esse atraso de uma semana, mas que isso é a primeira vez que acontece porque o Cimpajeú sempre procura honrar com o compromisso junto a ITGM. Mas, infelizmente, os prefeitos, no momento, não estão repassando. Se precisa fazer manutenção, medicação e a gente depende dessa verba que vem dos municípios e o aporte federal que também ainda não foi depositado, só foi feito o aporte estadual. É isso que está acontecendo”, disse um dos colaboradores, através de nota.