Serra Talhada sofre com gritante vulnerabilidade socialPor Diego Carvalho, tabelião, advogado e poeta serra-talhadense

Serra Talhada vibra! 2024 chegou com tudo, as luzes do Natal começam a ser silenciadas, já se fala em Carnaval, outros comentam sobre o São João.

Nas redes sociais o clima é de festa, pessoas começam a definir suas metas e estratégias, inclusive um dito cidadão disse metaforicamente que “zerou tudo”, mas eu pergunto: será que reiniciou tudo mesmo?

Acredito que não, muitos problemas romperam ao ano, basta andar pela Rua Sergio Magalhães, região central de Serra Talhada, onde está localizado a igreja da Penha.

Veja também:   Júri absolve acusados de homicídio em bairro de Serra Talhada

Lá podemos ver com clareza, que nossa cidade experimenta uma crise social grave, já enfrentada por grandes centros urbanos, como Recife e São Paulo. Em menor proporção, mas que tem tudo para crescer e aumentar.

Muitas pessoas, inclusive crianças, vivem em situação de hiper vulnerabilidade. Dormindo na rua, em cima dos seus papelões, sem moradia, comida ou estrutura emocional mínima para enfrentar a vida.

Alguns consomem entorpecentes, outros movidos pelo alcoolismo doentio brigam entre si, ameaçando pessoas que caminham na praça, por não lhe darem recursos para sustentarem os seus vícios.

Veja também:   Secretário de Márcia diz que nunca falou mal de Duque

Receba as manchetes do Farol de Notícias em primeira mão (clique aqui)

O que mais me chamou atenção, foi a capacidade de reinventar dessas pessoas, afinal nenhum vício é sustentado sem dinheiro, pois bem, muito desses cidadãos dormem no “beco da caixa”.

Marcando o lugar nas filas de atendimento, que são comercializados no dia seguinte, dessa forma nunca faltará o “din din” para “tomar uma”, ou coisa pior, quem sabe?

Afinal o “crack” é uma realidade no nosso município. Esse é um problema social que precisa de uma atuação efetiva da Prefeitura Municipal e Conselho Tutelar.

Veja também:   Covid reduziu a expectativa de vida mundial em 1,6 ano

Seja por meio de lar de acolhimento ou da ajuda efetiva de direcionamento, cada caso deve ser tratado com muito respeito e dignidade. Pois estamos tratando de seres humanos.

Também é necessária uma fiscalização por parte da Polícia Militar, principalmente no “beco da caixa”, onde ocorrem as brigas e marcações de fila.

Bem como o consumo de drogas durante a noite e madrugada, aterrorizando a vizinhança. Pois é injusto que moradores sejam aterrorizados e prejudicados sem segurança noturna.