Publicado às 13h40 desta segunda, 30

O Falando Francamente é de 2ª a 6ª das 11h às 12h na TV FAROL no YouTube

Sendo o terceiro vereador a denunciar, mas dizendo não ter provas, a prática da compra de votos na disputa rumo à Câmara Municipal em Serra Talhada este ano, o vereador pelo PT Sinézio Rodrigues avaliou, nesta segunda-feira (30), os boatos de que foi ‘passado pra trás’ por membros dos próprio grupo nas eleições 2020. Também já denunciaram a prática de compra de votos os vereadores Antônio de Anternor e Nailson Gomes.

Em entrevista ao Programa Falando Francamente, na TV FAROL no YouTube, Sinézio confirmou que lhe chegou a informação de que seu nome foi “fritado” por membros do próprio grupo, mas não teria provas cabais. Ele também disse o que espera da futura prefeita Márcia Conrado, avaliou a derrota da petista Marília Arraes no Recife e o futuro do PT na Capital do Xaxado. A entrevista começa em 30 minutos de vídeo ou leia a transcrição a seguir.

ENTREVISTA QUENTE COM SINÉZIO RODRIGUES! CLICA NO VÍDEO!

SOBRE COMPRA DE VOTOS 

“Faltaram votos porque foi uma campanha atípica por conta do coronavírus, porque nós não tivemos o corpo a corpo, que é algo que eu gosto de fazer que é tá na porta conversando com as pessoas, debatendo o nosso mandato, foi feito pelas redes sociais mas não tem a mesma dimensão do corpo a corpo para quem é militante histórico do PT. Tem a questão da Covid-19 e eu ter um público da melhor idade, e nós perdemos muito esse público não indo votar, até porque a gente defendia a segurança deles e de maneira alguma a gente iria criar incentivos para esse público ir votar né, tem a tradicional compra de votos e aqui não vou me referir ou acusar qualquer candidato, mas percebemos que a cada eleição está ocorrendo com mais consistência essa compra de votos, então foram muitos fatores que contribuíram para nossa derrota e aí também atribuo à fake news, teve muita fake news com relação a minha pessoa.”

Veja também:   Mantida a tradição das fogueiras em ST

BOATOS DE TER SIDO ‘FRITADO’ NA CAMPANHA

“Eu não posso dizer que isso aconteceu porque eu não tenho prova. As pessoas que colocam isso não me trouxeram provas. Claro que eu tendo conhecimento disso eu tomaria uma posição né. Mas não vou dá espaço apenas a boatos, e boatos existiram aí que eu fui um vereador inoperante, mas também de que eu fui um vereador de excelência, eu sei o que tenho a prestar contas à população… Eu não posso de maneira alguma, por mais que as pessoas digam isso, acredita [nos boatos] nem levar isso para um debate político interno, porque eu vou estar perdendo tempo. Eu não vi isso, ninguém me trouxe provas. É a mesma coisa da compra de votos que todos falam, no caso da compra de votos [nestas eleições] está caracterizado, mas eu posso acusar um vereador sem ter provas?”

SOBRE DERROTA DE MARÍLIA ARRAES

“A campanha de Marília, o que eu acho é que os companheiros de partido precisam se unir, o partido a nível de Estado, e principalmente na cidade do Recife, tem dado uma demonstração de ruptura interna e isso é ruim, você ter uma candidata como Marília, mas a uma parte do partido estar em cargos no governo municipal e estadual, você viu o nível da campanha que o João Campos fez ali tentando sujar o PT como a própria candidata. E você estar num governo desse? Me parece que é brincar de fazer política. Acho que a Marília foi uma guerreira, mostrou que o PT não está acabado como muita gente diz, se fosse assim não teria ido para o 2º turno, não teria tido mais de 40% dos votos dos recifenses, e dentre todos os erros da campanha acho que o que prevalece é a falta de unidade interna, e certamente as grandes lideranças do partido tem grande culpa nisso, e precisa sentar e decidir quem é petista de verdade e quem não é, e quem não é que se filie, assuma seu queijo do reino pra lá. Em Serra Talhada a gente vem tendo há um bom tempo unidade partidária.”

Veja também:   Serra-talhadense luta por energia elétrica após ter casa furtada