Sobe para 164 número de casos de varíolaDo G1 Pernambuco

 

Subiu para 164 o número de casos confirmados de varíola dos macacos (monkeypox) em Pernambuco, de acordo com os dados divulgados nesta sexta (14) pelo governo. Além disso, chegou a 1.434 o número de notificações da doença registradas pela Secretaria Estadual de Saúde (SES).

No balanço anterior, divulgado no dia 4 de outubro, havia 144 casos confirmados e 1.235 notificações em todo o estado. Em Pernambuco, já foi confirmada a transmissão comunitária, que é quando não é possível estabelecer de onde partiu da contaminação.

Entre os 1.434 casos notificados, 476 foram descartados e outros 742 estão em investigação.

De acordo com a SES, os casos em investigação foram divididos em dois grupos, conforme classificação definida pelo Ministério da Saúde.

O segundo grupo, com 61 notificações, é o dos casos prováveis. São pacientes que têm, além das lesões, outros critérios como exposição próxima e prolongada com caso provável ou confirmado de varíola dos macacos.

Entre os 164 casos confirmados, 130 são homens e 34, mulheres. Ao todo, 51 foram curados e 113 estão em isolamento domiciliar. A maioria é entre pessoas de 20 a 29 anos. As faixas etárias são as seguintes:

  • Até 9 anos: 10;
  • 10 a 19: 12;
  • 20 a 29: 56;
  • 30 a 39: 48;
  • 40 a 49: 25;
  • 50 a 59: 6;
  • Acima de 60 anos: 7.

Com relação aos casos prováveis, que também estão em investigação, 46 são do sexo masculino e 15 são do sexo feminino. As faixas etárias são: até 9 anos (6), 10-19 (11), 20-29 (16), 30-39 (10), 40-49 (14), 50-59 (1) e 60 e mais (3).

A transmissão ocorre por contato próximo com lesões, fluidos corporais, gotículas respiratórias e materiais contaminados, como roupas de cama, independentemente da orientação sexual de quem está infectado.

A doença costuma causar os seguintes sintomas iniciais:

  • febre;
  • dor de cabeça;
  • dores musculares;
  • dor nas costas;
  • gânglios (linfonodos) inchados;
  • calafrios;
  • exaustão.

 

De acordo com o Ministério da Saúde, as pessoas com sintomas da doença devem procurar atendimento médico caso apresentem algum sintoma suspeito, e emitiu as seguintes recomendações:

  • Mantenham uso de máscaras, principalmente em ambientes com indivíduos potencialmente contaminados com o vírus;
  • Afastem-se de pessoas que apresentem sintomas suspeitos como febre e lesões de pele-mucosa (erupção cutânea, que habitualmente afeta o rosto e as extremidades e evolui de máculas para pápulas, vesículas, pústulas e posteriormente crostas);
  • Usem preservativo em todos os tipos de relações sexuais (oral, vaginal, anal) uma vez que a transmissão pelo contato íntimo tem sido a mais frequente;
  • Estejam alertas para observar se sua parceria sexual apresenta alguma lesão na área genital e, se presente, não tenham contato;
  • Procurem assistência médica, caso apresentem algum sintoma suspeito, para que se estabeleça diagnóstico clínico e, eventualmente, laboratorial.