Foto enviada pelo leitor

Publicado às 13h desta quinta-feira (23)

Em nome da categoria, um taxista que trabalha no Terminal Rodoviário de Serra Talhada reclama de problemas que estão passando após a reforma do espaço e cobram da gestão uma solução. Segundo o taxista, que não quis se identificar, a rodoviária não disponibiliza de carrinho de bagagens e ainda fechou um portão que facilitava o acesso deles para pegarem as malas dos passageiros.

”A empresa que administra a rodoviária quer ser dona do terminal fazendo o povo de trouxa. A gente taxista sofre muito por causa deles e principalmente os usuários. Aqui tem um portão que vive fechado por autoritarismo deles, dizem que é melhor subir por uma rampa, mas tem muita gente que vem de um certo lugar e tem que fazer um arrodeio e a gente taxista, em muitas coisas, tem que se virar. Aqui não tem um carrinho para levar a bagagem dos passageiros, principalmente quando chega ônibus de São Paulo, a gente tem que levar nas costas. O pessoal paga as taxas caríssimas e não têm um conforto. É uma falta de vergonha, principalmente da direção. Eles não ligam para o pessoal, principalmente para os taxistas e dos usuários que pagam a taxa”, disse o taxista, continuando:

Veja também:   Sebastião inicia 'guerra' contra Fake News: 'Fui o mais investigado'

”Querem que façam um arrodeio à rampa, façam do jeito que eles querem, enquanto tem um portão fechado para subir e facilitar para a gente e para os usuários. Na reforma da rodoviária, a gente pediu para abrirem uma portinha do lado do estacionamento para os taxistas colocarem o carro ao lado para ficar mais fácil para colocar as bagagens do pessoal, tanto para vir quanto para sair do terminar. Mas disseram que não, que vai ser do jeito que eles querem e se quisesse levasse nas costas para colocar. Se eles não puderem abrir esse portão, que pelo menos coloquem carrinhos para facilitar a vida dos usuários”, concluiu o taxista.

Veja também:   Campanha de Duque larga com adesivaços e apoios em regiões

O OUTRO LADO

O Farol tentou conversar, por telefone, com a direção da Rodoviária, mas não obteve retorno das ligações.