Uma mulher comete suicídio por dia no Afeganistão

Do G1 / Foto: AP – Petros Giannakouris

No Afeganistão, pelo menos uma mulher comete suicídio por dia, segundo a ONU. As afegãs lutam há anos por mais direitos, mas a situação se agravou com a ascensão do Talibã ao poder, que completa dois anos nesta terça-feira (15).

“Estamos alarmados com os problemas de saúde mental generalizados e os relatos de suicídios crescentes entre mulheres e meninas”, escreveram Dorothy Estrada-Tanck e Richard Bennett, pesquisadores da ONU, em um relatório divulgado em maio sobre a situação no país. “Esta situação extrema de discriminação institucionalizada com base em gênero no Afeganistão não tem paralelo em qualquer lugar do mundo.”

Em todo o mundo, suicídios são duas vezes mais comuns entre homens que entre mulheres, mostram dados da OMS. No Afeganistão, entretanto, o cenário é bem diferente: 80% das pessoas que tiram a própria vida no país são do sexo feminino.

Veja também:   CHARGE: Duque ameaça enviar para o SPC quem não votar em seus candidatos

Uma análise publicada em outubro de 2022 no periódico “The Lancet” explica que a mortalidade por suicídio já era alta antes da tomada do poder pelo Talibã, mas o número cresceu, principalmente entre as mulheres, após a ascensão do grupo em 2021.

“Os fatores mais importantes para esta disparidade são a violência contra as mulheres, os casamentos forçados, a falta de consciência dos direitos das mulheres, o impacto da guerra, algumas práticas tradicionais (…) e a violência familiar”, escreveram os autores do artigo.

Veja também:   Criança de 9 anos era estuprada diariamente pelo pai, avô e tio

O Talibã e os direitos das mulheres

O grupo extremista assumiu o governo após as últimas tropas do Exército dos Estados Unidos deixarem o território afegão em agosto de 2021. Desde então, o Talibã comanda o país de acordo com a própria interpretação da sharia (lei islâmica) — e isso impacta diretamente as mulheres.

Alguns exemplos de ataques aos direitos femininos feitos pelo grupo extremista são:

  • Obrigar as mulheres a usarem vestimentas que cubram o corpo todo, da cabeça aos pés.
  • Fechar escolas secundárias para meninas.
  • Banir mulheres de frequentarem as universidades.
  • Proibir as mulheres de viajarem sem o acompanhamento de um parente homem.
  • Impedir que as mulheres atuem em diversas áreas de trabalho.
  • Banir a presença feminina em parque e outros ambientes públicos.
  • Fechar salões de beleza e centros de estética.
Veja também:   Homem tem casa invadida e celular furtado na 'surdina' em bairro de ST

Muitas afegãs se manifestam e resistem às imposições do Talibã. Em julho, por exemplo, após o fechamento dos salões de beleza e dos centros de estética, diversas mulheres protestaram em Cabul, capital do país.

No entanto, a situação é complicada, explicaram Estrada-Tanck e Bennett. “As mulheres que protestam pacificamente contra as medidas opressivas enfrentam ameaças, assédio, detenções arbitrárias e tortura”, afirmaram.