Do CNN Brasil

Grupos defensores de direitos dos animais na Itália estão pedindo às autoridades que suspendam a sentença de morte de um urso marrom que atacou pai e filho na semana passada, em uma trilha na região de Trentino.

Fabio Misseroni, 59, e seu filho Christian Misseroni, 28, estavam caminhando na segunda-feira em um trilha no Monte Peller quando dizem que o urso saltou em seu caminho.

O urso mordeu a perna de Misseroni antes que seu pai pulasse nas costas do animal para que ele pudesse escapar, disse o filho à CNN. O urso então mordeu e atacou o homem mais velho, quebrando sua perna em três lugares. Misseroni então bateu palmas para distrair o urso do pai antes que o animal fugisse para a floresta, narrou.

Os regulamentos do Instituto Nacional de Proteção Ambiental e Pesquisa da Itália exigem que os ursos que atacam os seres humanos sejam sacrificados.

Após o ataque, o governador de Trentino, Maurizio Fugatti, assinou uma ordem de abate permitindo a captura e a morte do urso, que as autoridades estão tentando identificar através do DNA extraído da saliva e do pelo deixados nas feridas das garras e mordidas e nas roupas do pai e do filho.

Houve vários ataques de ursos na região nos últimos anos, e as autoridades locais têm um banco de dados de DNA de ursos coletado de fezes, peles e saliva. Câmeras de vigilância são usadas para combinar o DNA com os animais.

Mas um movimento crescente pede que o urso seja deixado em paz – pelo menos até que as circunstâncias do caso se tornem mais claras. Os grupos italianos de direitos animais Animalisti Italiani e o Fundo Mundial para a Natureza pediram ao governo local que interrompa a ordem de abate até que seja realizada uma investigação completa, incluindo se o pai ou o filho fizeram alguma coisa para provocar o urso, o que os homens negam.

Quase 15.000 pessoas no sábado assinaram uma petição do Fundo Mundial para a Natureza para salvar o urso, pedindo a reversão imediata da sentença de morte.

O ministro do Meio Ambiente italiano também escreveu uma carta dizendo que ele é contra o abate do urso, que, segundo ele, pode ser uma fêmea protegendo filhotes.

“Somente depois de coletar certas informações científicas sobre o animal envolvido no acidente com os dois cidadãos, poderemos avaliar soluções técnicas que, na minha opinião, não devem resultar na morte do animal”, escreveu Sergio Costa a Fugatti.

No mês passado, uma família filmou um encontro incomum com um urso marrom no norte da Itália. Em um vídeo do encontro, Alessandro, de 12 anos, pode ser visto caminhando lentamente em direção ao padrasto enquanto um urso marrom o segue de perto.

O padrasto do garoto pode ser ouvido tentando convencê-lo a seguir em frente, gritando “venha, venha, Ale” enquanto eles se movem lentamente pelos arbustos e descem o caminho. O urso se arrasta atrás do garoto até perder o interesse.