Fotos: Farol de Notícias/Max Rodrigues

Publicado às 05h58 desta sexta-feira (18)

O mês de junho é conhecido pelas festividades e o Farol de Notícias está resgatando as histórias e tradições nesse período pandêmico (relembre aqui). Um dos santos mais devotados é o Santo Antônio, que tem como data no calendário o dia 13. Em Serra Talhada o santo tem uma devota muito fervorosa, que já chegou a reunir mais de 200 pessoas em suas novenas, é Espedita Barbosa de Lima, 91 anos, uma mulher muito amada pelos amigos e familiares (relembre aqui), que relatou sua graça alcançada.

Em 2008, Dona Espedita apresentou muitas dores no braço, alguns caroços foram detectados, no início se acreditava que era câncer, no entanto depois de muitos exames e médicos se contatou que ela estava com tuberculose óssea e precisava de uma cirurgia urgente. Os médicos deixaram claro que ela tinha 95% de chances de perder o braço, ao saber disso Espedita se apegou a Santo Antônio com todas as forças, a cirurgia caiu no dia 13 de junho e duas amigas próximas fizeram uma promessa ao santo, que se ela não perdesse o braço todos os anos iam fazer junto com Espedita a novena, a graça foi alcançada e desde então todos os anos a novena reúne centenas de pessoas.

“Eu toda vida fui devota de Santo Antônio porque meu pai celebrava todo ano, fiquei sendo devota desde criança. Adoeci do braço, que criou caroços e eu fui para Recife para operar, os médicos aqui falavam que era câncer, depois de muitos médicos e muitos exames viu que não era câncer, era uma osteoporose no ombro e com isso obstruiu o ombro criou os caroços que tinham muita secreção, foi quando o doutor descobriu que era tuberculose óssea. Eu me apeguei a Santo Antônio, fiz promessas e aconteceu que minha cirurgia foi no dia de Santo Antônio”, explicou Espedita acrescentando:

“Eu passei quase 4 horas lá e sai muito bem. Eles abriram meu braço tiraram a parte do osso que estava obstruído, o doutor operou meu braço e eu fiquei bem, não foi preciso cortar, aconteceu o milagre de Santo Antônio. Por esse motivo, minhas amigas Maria Badu e Dona Luiza fizeram uma promessa para que se eu ficasse com meu braço, que elas vinham todos os anos festejar comigo a novena de Santo Antônio de 1 a 13 de junho e aconteceu. Todos os anos tanto podia ter a festona, vinha muita gente, agora depois da pandemia não teve a festa”.

A NOVENA DURANTE A PANDEMIA 

Em 2020, com a pandemia, a devota não pôde ter a tão esperada festa de Santo Antônio, mas a novena foi feita de forma on-line, toda transmitida ao vivo pelas redes sociais. Em 2021 ela pediu para que não fosse on-line, que ela ia fazer em casa, com poucas pessoas e distanciamento.

“Ano passado eu fiz somente gravar, meu neto filmou todas as noites, esse ano eu não quis que filmasse, rezamos distanciados, por esse motivo só fizemos a novena com 10 pessoas, durante as 13 noite não teve nenhuma aglomeração. Mesmo agora sem poder fazer festa por conta da pandemia, mas minha novena eu continuo fazendo, mesmo sem muitas pessoas, foi feita com muita devoção, com muita educação. Beja (foi ele quem fez o altar em 2021) é um cara que faz as coisas muito bem feitas e ele veio preparar aquele altar estava muito bonito. Quando a pessoa é devota, fazendo oração, ter fé, muita fé, que Santo Antônio pode avaliar aquela graça que a pessoa quer, tem que ter fé e suplica em nome de Jesus que alcança a graça”, afirmou.

Veja também:   Marconi defende ações do Plano de Saneamento

O AMOR E A DEVOÇÃO POR SANTO ANTÔNIO

Dona Espedita tem um amor enorme pelo santo, algo que nasceu nela ainda quando criança e se fortaleceu com sua graça alcançada. Ela vê uma satisfação imensa ao realizar a novena e conta os dias até a chegada do 1º de junho. A devota ainda afirma que se você tiver fé vai conseguir a sua graça também.

“É uma alegria que eu sinto e todos os anos eu passo, quando é no 1º de junho eu já sei que é o começo da minha novena até o dia 13 me dedico a Santo Antônio, o derradeiro dia eu choro de saudade quando recolho ele, porque terminou minha jornada mais um ano, mais um ano que passou, mais um ano de alegria, mais um ano de graça que recebi, enquanto eu for viva, ano que vem se eu estiver viva ainda vou fazer o mesmo , mas, se eu não estiver também, vai ficar somente na lembrança de todo mundo, que eu era aquela velha devota de Santo Antônio”, relatou completando:

“Eu faço uma novena muito matuta, do meu tempo velho, eu nunca modifiquei a minha novena. Para mim é um satisfação enorme que eu sinto em ser devota de Santo Antônio, pra mim é um orgulho, eu amo. Tenho certeza que ele dentro da minha casa só me patrocina o bem, a fé, a esperança e o amor. Porque eu tenho meus filhos tudo de bem, tudo de paz, unidos, até meus vizinhos são unidos, nós vivemos com muita união e com muita paz, tudo é milagre de Santo Antônio, quem acreditar e se pegar a Santo Antônio igual a mim e tiver fé receber qualquer milagre quiser.”

NÃO BRINQUEM COM O SANTO ANTÔNIO 

É muito comum que as pessoas acreditem que Santo Antônio é o santo casamenteiro e com isso várias simpatias foram criadas para que a graça de namoros e casamentos fossem alcançadas. Então as pessoas colocam o santo de cabeça para baixo, escondem ele no guarda-roupa, colocam debaixo da cama, dentre tantas outras simpatias. A devota que tem muito respeito pelo santo não admite nenhum tipo de brincadeira em relação a Santo Antônio e acha uma falta de respeito e uma baixaria o que fazem com ele.

“Eu acho que isso é uma lenda que o povo levou até de brincadeira, eu levo isso muito a sério, sei que Santo Antônio é protetor de todas as coisas perdidas, a vida familiar, ele ajuda na união, na paz, porque era um santo franciscano, amigo de Jesus, teve o direito de Maria santíssima colocar o menino Jesus nos braços dele, ele pode operar todos os milagres que quiser, para quem tem fé e se apegar a ele. Isso é uma brincadeira que nunca aconteceu comigo e nem passou pela minha cabeça, eu tenho meu santo com muito respeito e muita devoção, essas brincadeiras para mim é uma falta de respeito e uma baixaria, não contribui com uma velha educada da minha idade, eu sou muito educada com meu santo, nunca zombei com isso”, assegurou dona Espedita complementando:

Veja também:   Oklahoma aprova lei que proíbe aborto desde a fecundação

“Porque para casar não precisa fazer promessa, só precisa amor e ter sorte e ter nascido para um bom casamento, como eu arrumei, eu passei 42 anos casada e fiquei com ele até o dia que Deus o chamou e os filhos que eu tenho são abençoados, cheios de virtudes, todos formados, os filhos formados, todos trabalham, tudo é por suas contas, não tem ninguém na minha família rico, mas são todos pobre direitos, honestos e trabalhadores.”

Não é que ela não acredite que o santo não vá lhe dá a graça de um bom casamento, ela só acredita que ele pode alcançar qualquer graça sem ser desrespeitado. A fama de ser apenas um santo casamenteiro incomoda a devota e ela sempre enfatiza que o santo é de graças e união.

“Santo Antônio é um casamenteiro assim, de bom casamento, o casal que pensa em Deus, que tem confiança no esposo, que tem educação, que não tem ciúme, que não faz nada errado, quando a pessoa segue os caminhos de Deus nada faz a pessoa errar, é só fazer as coisas certas, por isso que eu amo Santo Antônio, quem é devoto dele é feliz como eu sou. Dinheiro para mim não vale nada, que também nunca me faltou nada, eu tenho certeza que ele o pão de cada dia me deu e a meus filhos, sem dever a ninguém e sem viver aperriada”, enfatizou.

A IMPORTÂNCIA DE DOAR AFETO

Dona Espedita se sente muito realizada com toda a sua trajetória e se sente amada por todos. Já chegou a receber mais de 200 pessoas em sua novena, acolhe todos, abençoa e reza. Clama por Santo Antônio e recebe as graças, tem orgulho toda vez que os relatos de graças são alcançados e sente que sua missão não é em vão. A novena que nasceu de uma promessa hoje move serra-talhadenses de todos os bairros para a Rua José Alves da Silveira, em devoção e amor.

“Todo mundo gosta dessa velha dona Espedita, ricos e pobres na minha casa, eu recebo todo mundo e amo todos e sinto mundo orgulho, porque se eu precisar de uma pessoa sempre tem alguém do ao meu lado. Imagino que ano que vem eu possa não estar por aqui, mas se eu estiver e tiver acabado a pandemia eu farei minha novena sim, juntos com Bôra e Eulina, porque são eles os encarregados juntos as minhas amigas que fizeram a promessa. Fica tudo muito lindo, faz gosto de ver, se ano que vem não tiver pandemia vai ser a festona, mas se tiver vai ser como esse ano, só com 10 pessoas e com distanciamento, só não posso deixar de fazer, tem que dar continuidade até o fim , quando eu não estiver mais aqui, não terá mais a novena de Santo Antônio”, afirmou.

A devota guarda em seu coração a esperança de quem em 2022 ela possa fazer a sua novena como antes, com muita festa, muitas realizações. Sua fé é inabalável e contagiante, seu amor por santo Antônio transborda e faz com que centenas de fiéis fortaleçam a sua fé.

Altar de Santo Antônio no dia 13 de junho de 2021