Absorvente vencido faz mal? Médica fala de polêmica em ST
Absorvente higiênico: programa garante dignidade menstrual – Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Na semana passada o debate sobre o uso de aborventes vencidos veio a tona em Serra Talhada.

Um grupo de mães denunciou que suas filhas receberam na escola o produto com a data fora do prazo de validade.

Em contato com a reportagem do Farol de Notícias, as leitoras informaram a Escola Municipal Cônego Torres distribuiu os absorventes com o selo da Prefeitura de Serra Talhada.

Receba as manchetes do Farol em primeira mão pelo WhatsApp (clique aqui)

A ação faz parte do projeto de dignidade menstrual que acontece em todo o estado de Pernambuco com projeto de lei aprovado desde julho do ano passado.

Veja também:   Brasil registra 10,6 mil feminicídios em oito anos

Diante da polêmica, o Farol conversou com a ginecologista e obstetra, Dra. Bruna Belo, para esclarecer sobre os abserventes vencidos.

Eles realmente podem fazer mal?

É mito!

De acordo com a ginecologista, se os absorventes estiverem bem armazenados não farão mal a saúde íntima. 

Os principais fatos de Serra Talhada e região no Farol pelo Instagram (clique aqui)

“Desde que bem armazenados, não fazem mal. O armazenamento é importante para garantir que não haja contato com umidade. Que, independente da validade, pode favorecer o surgimento de fungos e bactérias”, esclareceu a médica. E ainda aconselhou:

Veja também:   Marconi acompanha início de construção de ponte

“É importante a troca a cada 4 horas, aproximadamente, independente do fluxo (para evitar a proliferação de fungos e bactérias). Além de ser importante a higiene adequada da vulva”.

LEIA MAIS

Mães acusam escola de ST de distribuir absorventes vencidos