Acusado de assassinar e mutilar jovem em ST vai a júri popular

A mãe de Gyslane, Girlane Souza, vive em luto profundo há quase três anos

Publicado às 09h52 desta terça-feira (25)

O acusado de assassinar, com requintes de crueldade, a estudante da Escola Solidônio Leite, Gyslane Ágda, de 17 anos, Alexsandro da Silva Aureliano, 27, vai enfrentar o júri popular quase 3 anos após o crime.

Réu confesso [relembre o caso], ele ficou conhecido como o ‘Monstro da Caxixola’ após assumir o assassinato brutal da jovem em setembro de 2020 em Serra Talhada.

Veja também:   Cineasta Agnès Varda, da Nouvelle Vague

Nessa segunda-feira (24), a mãe da vítima, Girlane Souza, 38 anos, entrou em contato com o Farol informando para acompanharmos o julgamento, marcado para o início de agosto no Fórum de Serra Talhada, no bairro da Cohab.

“Essa é uma ferida que vou carregar para sempre. Eu ainda choro todos os dias desde que minha filha se foi e espero finalmente que esse monstro seja condenado. Esperei quase três anos por isso”, disse. Desde que confessou o crime, em 2020, ele está preso na cadeia local.

Veja também:   'Kit-Covid' não funciona, diz médico do HEC em ST

Girlane Souza ainda mora vizinho ao terreno em que o corpo da filha foi encontrado após ser enterrado por Alexsandro. O que para ela é um tormento diário. No júri popular o julgamento poderá ser acompanhado pela população, no dia 9 de agosto.

MATEI PORQUE SENTI VONTADE”

A adolescente de 17 anos foi morta e mutilada cruelmente por Alexsandro da Silva Aureliano, 24. Ela teve os braços decepados. Logo após a prisão, o delegado do caso Cley Anderson destacou a frieza de Alessandro.

Veja também:   Mulher tem propriedade invadida em ST

“É um sujeito muito frio, ele afirmou que teria matado porque estava com vontade. A população tentou linchar essa pessoa, se é que se pode chamar isso de pessoa. Ele só demonstrou frieza, a frieza dele foi de um alto nível. Ele não tem problemas mentais”, afirmou o chefe da Polícia Civil na cidade à época.

RELEMBRE O CASO

Estudante é morta e enterrada na Caxixola