Do BBC News

 

Pelo menos 60 pessoas ficaram feridas quando manifestantes invadiram o parlamento iraquiano pela segunda vez em uma semana.

Os partidários do clérigo Muqtada al-Sadr invadiram novamente a Zona Verde de alta segurança em Bagdá, ao se oporem à indicação de um candidato rival pró-Irã a primeiro-ministro.

O bloco de Sadr conquistou o maior número de cadeiras em outubro passado, mas não está no poder devido a um impasse político.

Seis dos feridos estavam em estado grave, disse um comunicado do ministério.

Os manifestantes prometeram ocupar o parlamento até novo aviso, segundo a agência de notícias AFP.

Mas dezenas deles derrubaram as barreiras de concreto que protegiam a área e correram para dentro do Parlamento, onde agitaram bandeiras iraquianas e fotos de Sadr.

O atual primeiro-ministro do Iraque, Mustafa al-Kadhimi, instruiu as forças de segurança a “proteger os manifestantes”.

Ele pediu aos manifestantes que “mantenham seu movimento pacífico, evitem a escalada e cumpram as diretrizes das forças de segurança cujo objetivo é protegê-los e proteger as instituições oficiais”.

O protesto de sábado segue um encenado na quarta-feira, quando centenas de pessoas invadiram o parlamento .

Sadr, um clérigo xiita que quer acabar com a influência dos EUA e do Irã sobre os assuntos internos do Iraque, reivindicou a vitória de seu movimento nacionalista Saeroun após a eleição de outubro.

Mas se mostrou impossível desde então construir uma nova coalizão de governo, já que Sadr se recusou a trabalhar com rivais.

Ele e seus apoiadores se opuseram à candidatura de Mohammed al-Sudani a primeiro-ministro, pois acreditam que ele seja muito próximo do Irã.