Publicado às 22h18 desta terça-feira (1)

O empresário serra-talhadense Rêmulo Callou de Alencar, 58 anos, proprietário da loja Pé Calçado, no Centro de Serra Talhada, lamentavelmente faleceu por volta das 21h desta terça-feira (1), quando seguia com familiares em uma ambulância para Recife, com destino ao Hospital da Restauração.

Segundo familiares, ele caiu de uma árvore no quintal da sua residência, por volta das 13 horas, e foi socorrido já desacordado para uma casa de saúde local. De acordo com informações da família, ao Farol, após os primeiros cuidados, os médicos recomendaram a transferência para uma hospital de referência na Capital.

Entretanto, nas imediações do município de Tacaimbó, no Agreste, Rêmulo Callou não resistiu. Neste momento (22 horas) seu corpo está retornando para Serra Talhada, onde será velado na Casa de Homenagens Póstumas Bezerra de Melo, no Centro. O sepultamento será às 16 horas. O prefeito Luciano Duque lamentou, e externou os sentimentos a família.

RÊMULO CALLOU – UM TRISTE ADEUS A UM AMIGO!

Rêmulo Callou de Alencar não era apenas mais um empresário de Serra Talhada, era um homem, que na sua trincheira, defendia suas ideias com unhas e dentes, e pensava um Brasil e uma cidade diferentes. Era meu amigo de infância, goleiro de mão cheia do nosso time de moleques, o Cruzeiro.

Extrovertido, lembro das suas sonoras gargalhadas, dos abraços e ‘ondas’ de adolescentes, das piadas, e, por isso, nos tratávamos  carinhosamente como ‘paiaços’- assim mesmo, com esta grafia. Na época, éramos combativos da ditadura militar e buscávamos a liberdade.

Crescemos e mantivemos a mesma linha unidos na trincheira contra a ascensão do bolsonarismo. Fato, aliás, que fez com maestria em algumas opiniões que escreveu para o Farol. Algo também fazia parte da sua história: Rêmulo era amigo pessoal e fã insaciável de Chico Buarque com quem trocava até passes em peladas de futebol e a quem Chico chamava carinhosamente de “Serra”.

Veja também:   Márcia já fala de Festa de Setembro: 'Ficará na história'

Ontem (segunda-feira) cruzei com ele na Praça Sérgio Magalhães. Esquecemos a pandemia e trocamos um abraço. O último… Sorrimos… e pronto. Meu amigo morreu! Morreu uma parte da minha história e do futuro de Serra Talhada. Descansa em paz, meu bom e velho amigo ‘paiaço’…

RÊMULO E CHICO BUARQUE: BONS AMIGOS