Artista plástico serra-talhadense morre após incêndio

Com informações e fotos do Corpo de Bombeiros

Publicado às desta segunda-feira (11)

Um grave incêndio a residência no bairro Mutirão ceifou a vida do artista plástico Anderson Santos, em Serra Talhada.

O serra-talhadense, de 35 anos, morador da quadra 10, próximo à Escola Municipal Vicente Inácio de Oliveira, foi socorrido com vida para o Hospital Regional Agamaenon Magalhães (Hospam) com diversas queimaduras no corpo, mas não resistiu aos ferimentos e veio a óbito na madrugada desta segunda (11).

O Corpo de Bombeiros foi acionado para conter o incêndio por volta das 22h55 na residência. Chegando ao local Anderson foi encontrado deitado de costas no chão em frente à residência ainda chamas, com várias marcas de queimadura por todo o corpo, desorientado e se queixando de falta de ar, com sinais de inalação de fumaça.

Veja também:   Franquia de massas no pote diversifica gastronomia em ST

Enquanto a equipe de resgate realizava o primeiro atendimento à vítima, a equipe de incêndio adentrou a residência, ainda em chamas, para apagar os focos que se concentravam na sala de estar e buscar por mais vítimas.

Não havia mais ninguém na casa. No entanto, havia um botijão GLP na cozinha, o qual foi retirado imediatamente da residência, ficando este em local aberto. O corpo do artista plástico está sendo velado por familiares e amigos na Funerária Uniplan, localizada na Rua Luiz Alves de Melo Lima, 642, bairro AABB.

Veja também:   Calendário PIS PASEP 2023 com tabela diferente em abril

Artista plástico

Anderson era um artista plástico de talento e já havia realizado exposições em espaços públicos fora de Serra Talhada. Uma das cidade foi Caruaru, no Agreste. A qualidade de suas obras chamaram a atenção dos caruaruenses de tal forma, que Anderson concedeu várias entrevistas para a mídia televisiva, inclusive para a Globo Nordeste. Anderson também era dançarino. Participou de várias atividades culturais e dezenas de apresentações pelo grupo Raízes do Cangaço, de xaxado. Também dançava maracatu, frevo e outros ritmos.

Veja também:   Mulher espancada por PMs conta detalhes: 'Me sinto desprotegida'