AVC mata cerca de 1,5 mil pessoas por ano em PE

Foto: reprodução/ Freepik

Por Jornal do Commercio

Pelo 10º ano, a Federação Mundial de Neurologia (WFN, na sigla em inglês) organiza o Dia Mundial do Cérebro. Nesta edição, a data chama a atenção para o tema Saúde e incapacidade do cérebro. Os temas anteriores abordaram tópicos como prevenção conscientização sobre enxaqueca e o impacto da poluição do ar no cérebro.

Neste ano, a Federação Mundial de Neurologia destaca que muitos distúrbios neurológicos podem levar à perda de mobilidade, comprometimento da função cognitiva e aumento da carga emocional para os pacientes e suas famílias, criando um grau de incapacidade que afeta a vida diária.

Nesse contexto, desponta um alerta para os riscos das doenças neurológicas, como o acidente vascular cerebral (AVC), responsável pela morte de aproximadamente 1,5 mil pessoas todos os anos em Pernambuco, segundo dados da Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE).

Uma série histórica dos últimos cinco anos mostrou que, em 2018, foram registrados 1.533 óbitos; em 2019, 1.858 mortes; em 2020, 1.346; em 2021, 1.389 e em 2022, 1.453.

Veja também:   Sebastião promove tapa-buracos e capinação em rodovias de ST

O neurologista Fernando Travassos, do Hospital Pelópidas Silveira, esclarece sobre a importância de cuidar bem do cérebro.

“É sempre muito importante trabalharmos com a prevenção, no que diz respeito às doenças neurológicas. É fundamental evitar fatores de risco que contribuam para o aparecimento do AVC, como hipertensão arterial, diabetes, ingestão de bebidas alcoólicas, fumo, sedentarismo, obesidade e estresse emocional”, diz Fernando Travassos.

“Sabemos que existem fatores que não podem ser modificados, como a hereditariedade, genética e idade, mas se pode atuar na prevenção com a adoção de hábitos de vida mais saudáveis.”

cérebro tem papel nos principais sistemas do corpo. Na caixa craniana, está o encéfalo (parte do sistema nervoso central responsável por processar e responder a mensagens recebidas). Composto por neurônios (células nervosas que transmitem impulsos ao próprio cérebro), é um dos órgãos mais importantes da biologia humana.

Veja também:   PMs presos são pegos com droga em celas

Sem o cérebro, não seríamos capazes de raciocinar, pensar, de ter sentimentos e até de desenvolver ações comuns e necessárias no dia a dia.

Dessa maneira, cuidar do cérebro é essencial para se ter maior qualidade de vida, e o Dia Mundial do Cérebro, 22 de julho, reforça essa mensagem.

DIA MUNDIAL DO CÉREBRO: DICAS PARA MANTER O CÉREBRO SAUDÁVEL

Realize atividades físicas rotineiras

A Organização Mundial da Saúde recomenda que é preciso realizar entre 150 a 300 minutos de atividade física por semana, ou seja, de 2,5 a 5 horas semanais.

Mantenha uma dieta saudável

Embora o peso do cérebro represente apenas 2% do peso corporal, ele consome 20% da energia que é obtida pela nossa alimentação. Por isso, é muito importante que a dieta tenha produtos de qualidade. Deve-se evitar alimentos industrializados, com excesso de conservantes, açúcares e sal.

Evite o uso de álcool e outras drogas

Veja também:   GESTÃO: Em Serra Talhada, servidores trabalham sob ameaças e não são valorizados

O álcool é um depressor do sistema nervoso central, do qual o cérebro faz parte. Isso torna mais difícil aprender e tomar boas decisões. O consumo abusivo de álcool também favorece a perda de memória e a diminuição da concentração.

Tenha boas noites de sono

Durante o sono, o cérebro tem um momento de descanso. É nesse período que ocorre uma “faxina”: tudo o que aprendemos de importante fica; e o que sobra, é dispensado para abrir espaço a novos conhecimentos. A dica é dormir na quantidade certa e com qualidade para que essa “limpeza” não seja prejudicada.

Seja sociável

Valorizar a vida social e cultivar relacionamentos dão sensação de bem-estar e pertencimento, o reduz níveis de estresse e colabora para o bom funcionamento cerebral.

Aprenda coisas novas

Desafiar o cérebro é importante para que ele se mantenha sempre pronto para aprender. É importante também variar os estímulos: quem lê muito habitualmente pode aprender uma habilidade manual, por exemplo.