Do Ne 10

Publicado às 06h36 desta terça-feira (27)

Após a deputa federal Bia Kicis (PSL) divulgar um encontro com deputada alemã Beatrix von Storch, vice-líder do partido “Alternative für Deutschland” (AfD), foi a vez do presidente Jair Bolsonaro aparecer ao lado da parlamentar de extrema-direita.

O encontro ocorreu fora da agenda oficial do presidente Jair Bolsonaro, no Palácio do Planalto, em Brasília, na última semana.

O AfD (em português, Alternativa para Alemanha) é um partido de extrema-direita fundado em 2013. Segundo o Museu do Holocausto, a iniciativa tem tendências “racistas, sexistas, islamofóbicas, antissemitas, xenófobas e forte discurso anti-imigração.”

Em mensagem publicada, nesta segunda-feira (26) nas redes sociais, Beatrix agradeceu a Bolsonaro “pela amistosa recepção”. A alemã também comentou ter ficado impressionada com a “clara compreensão dos problemas da Europa e dos desafios políticos do nosso tempo” que o presidente mostrou.

A deputada alemã também disse que ser importante a união dos “conservadores”. “Em um momento em que a esquerda está promovendo sua ideologia por meio de suas redes e organizações internacionais em nível global, nós conservadores devemos trabalhar mais estreitamente em rede e defender nossos valores em nível internacional”, postou.

Quem é Beatrix von Storch?

Segundo o portal UOL, Beatrix von Storch, de 50 anos, chegou a trabalhar como advogada, mas, no fim dos anos 2000, deixou a profissão para se dedicar à política em tempo integral.

O passado nazista da família de Beatrix von Storch passou a ser destacado pela imprensa alemã a partir de 2014, quando ela foi eleita deputada europeia pela AfD — três anos depois, em 2017, ela foi eleita para o Bundestag (Parlamento alemão), representando Berlim.

Beatrix von Storch é neta de Johann Ludwig Schwerin von Krosigk, que serviu como ministro das Finanças da ditadura nazista de Adolf Hitler por mais de 12 anos.

Veja também:   Com bolsa de crack, mulher corre da PM em ST

O avô de Beatrix foi responsável por confiscar propriedades de judeus e explorar financeiramente áreas conquistadas pela Alemanha nazista.

Mais tarde, Johann Ludwig Schwerin Von Krosigk foi julgado e condenado pelo Tribunal de Nuremberg, na etapa conhecida como o “julgamento dos ministros”, entre 1948 e 1949. Ele foi sentenciado a dez anos de prisão por crimes de guerra, mas foi beneficiado por uma anistia em 1951. Em 1977, morreu.

Em 2016, Von Storch manifestou aprovação à mensagem de um usuário do Facebook que havia perguntado se guardas de fronteira deveriam atirar em refugiados que chegassem ao país, inclusive mulheres com crianças.

Dentro da AfD, a deputada costuma ser apontada como membro da ala “cristã ultraconservadora”. Em 2014, quando os ultradireitistas tomaram o partido, ela afirmou que via a sigla como um veículo para “uma visão cristã da humanidade”.

Em março deste ano, o partido Alternativa para Alemanha foi colocado em vigilância policial por serviços de inteligência interna da Alemanha. O partido é contra a política migratória de Merkel.