Do g1

Foto: Lalo de Almeida para Folha de S.Paulo

A série fotográfica “Distopia Amazônica”, do brasileiro Lalo de Almeida, fotojornalista do jornal Folha de S. Paulo, venceu na categoria ‘Longa Duração’ do World Press Photo (WPP), a mais prestigiada premiação de fotojornalismo do mundo.

As imagens, feitas para Folha de São Paulo e Panos Pictures, documentam a ameaça à floresta amazônica pelo desmatamento, mineração, desenvolvimento de infraestrutura e exploração de recursos naturais. Parte delas foi publicada na série “Amazônia sob Bolsonaro”.

“Este projeto retrata algo que não tem apenas efeitos negativos na comunidade local, mas também globalmente, pois gera uma reação em cadeia”, disse a presidente do júri do WPP, Rena Effendi.
Já o registro da canadense Amber Bracken, intitulado Kamloops Residential School (“Escola Residencial Kamloops”), foi o grande vencedor da premiação, conquistando a categoria ‘Foto do Ano’.

Bracken estava a serviço do jornal americano The New York Times quando tirou a foto premiada.

Cruzes com vestidos pendurados nelas são vistas por uma estrada com um arco-íris ao fundo — Foto: Amber Bracken para ‘The New York Times’
Cruzes com vestidos pendurados nelas são vistas por uma estrada com um arco-íris ao fundo — Foto: Amber Bracken para ‘The New York Times’

A imagem mostra vestidos vermelhos pendurados em cruzes ao longo de uma estrada para homenagear as crianças que morreram na Kamloops Indian Residential School, uma instituição criada na província da Colúmbia Britânica, no Canadá, no fim do século 19, para “integrar” crianças indígenas à cultura branca.

O registro foi feito em junho de 2021, após a detecção de até 215 sepulturas não marcadas no local da antiga escola, que foi fechada em 1978.

Veja também:   Cobra jiboia é encontrada dentro de um poço em ST

“É uma imagem que fica gravada em sua memória, inspira uma espécie de reação sensorial”, disse a presidente do júri, Rena Effendi.

“Quase podia ouvir a quietude nesta fotografia, um momento tranquilo de avaliação global da história da colonização, não apenas no Canadá, mas em todo o mundo.”

Considerado o “Oscar da Fotografia”, o World Press Photo reconhece todos os anos o melhor do fotojornalismo e fotografia documental. Depois de cada cerimônia, os retratos vencedores são reunidos em uma exposição itinerante visitada por milhões de pessoas ao redor de 40 países.
Os vencedores de 2022 foram escolhidos entre 64.823 inscrições feitas por 4.066 fotógrafos de 130 países.

Matthew Abbott venceu na categoria ‘História’, com sua série “Saving Forests with Fire” (“Salvando Florestas com Fogo”), tirada para a revista National Geographic e Panos Pictures.

O cacique de Nawarddeken, Conrad Maralngurra, queima grama para proteger a comunidade de Mamadawerre dos ‘incêndios florestais’ do final da temporada, em Mamadawerre, Arnhem Land, Austrália, em 3 de maio de 2021 — Foto: Matthew Abbott para National Geographic
O cacique de Nawarddeken, Conrad Maralngurra, queima grama para proteger a comunidade de Mamadawerre dos ‘incêndios florestais’ do final da temporada, em Mamadawerre, Arnhem Land, Austrália, em 3 de maio de 2021 — Foto: Matthew Abbott para National Geographic

As fotos mostram indígenas australianos queimando estrategicamente terras em uma prática conhecida como “Cool Burning” (“queimadas frias”), na qual o fogo se move lentamente, queima apenas a vegetação rasteira e remove o acúmulo de combustível que alimenta as chamas maiores.

A série apresentou o povo Nawarddeken de West Arnhem Land, no Estado do Território do Norte, na Austrália, que realiza a prática há dezenas de milhares de anos.

Veja também:   Tiroteio em igreja nos EUA deixa um morto e quatro feridos gravemente

Indígenas australianos incendeiam a casca das árvores para produzir uma fonte de luz natural para ajudar a caçar cobras em Djulkar, Arnhem Land, na Austrália, em 22 de julho de 2021 — Foto: Matthew Abbott para National Geographic
Indígenas australianos incendeiam a casca das árvores para produzir uma fonte de luz natural para ajudar a caçar cobras em Djulkar, Arnhem Land, na Austrália, em 22 de julho de 2021 — Foto: Matthew Abbott para National Geographic

“Blood is a Seed” (“Sangue é uma Semente”), da equatoriana Isadora Romero, venceu na categoria ‘Formato Aberto’.

Cartez de projeto fotográfico de Isadora Romero — Foto: Isadora Romero (via BBC)
Cartez de projeto fotográfico de Isadora Romero — Foto: Isadora Romero (via BBC)

Através de histórias pessoais e uma viagem ao vilarejo ancestral de Romero, Une, no departamento de Cundinamarca, na Colômbia, o projeto questiona o desaparecimento de sementes, migração forçada, colonização e a subsequente perda de conhecimento ancestral.

Também foram anunciados os vencedores regionais da competição, alguns dos quais podem ser vistos abaixo.