Do Folhape

Foto: Fred Dufour / Pool / AFP

O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, assinou nesta quinta-feira (2) um acordo de 1,3 bilhão de dólares canadenses (US$ 1 bilhão), um dos maiores do tipo, para resolver uma disputa fundiária centenária com o povo nativo Blackfoot.

“Nos reunimos hoje para corrigir um erro do passado”, disse Trudeau nas terras tradicionais da chamada Primeira Nação Siksika, no oeste do Canadá.

Em 1910, o governo canadense se apoderou de quase metade das terras da reserva da nação indígena na província de Alberta para utilizá-las na obtenção de recursos e vendê-las a colonos.

A apropriação das terras aconteceu mesmo com a existência de um tratado, firmado 30 anos antes, que garantia a posse dos cerca de 46.000 hectares na região das pradarias ocidentais à comunidade nativa.

Por sua vez, o ministro de Relações Indígenas do Canadá, Marc Miller, afirmou que os siksika haviam perdido uma parte da riqueza gerada a partir destas terras, assim como o acesso a muitos lugares sagrados.

Nesse sentido, argumentou que era importante reconhecer as “negociações desproporcionais e as cessões de terras”.

“Apesar de este acordo não compensar o passado, esperamos que leve a um futuro melhor e mais brilhante para esta geração e as vindouras”, acrescentou.

“Essa reivindicação de terras, sim, 1,3 bilhão, é muito dinheiro. Nunca será o que era antes. Mas temos que seguir em frente”, disse o funcionário.

A comunidade, acrescentou Miller, está começando a ver o renascimento de sua cultura e tradições, assim como do idioma Blackfoot, que agora é utilizado na sinalização viária local, por exemplo.

Veja também:   Aumento do Bolsa Família será pago em julho?