compesa_400x400A Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) está engajada no combate ao mosquito Aedes aegypti, vetor da Dengue, Febre Chikungunya e Zika Vírus, esta última doença associada às centenas de casos de microcefalia e aos recentes registros da Síndrome de Guillain-Barré, sobretudo no Nordeste. Nesta quarta-feira (16), 450 leituristas começam a ser capacitados para atuar como agentes identificadores de focos do mosquito nas 1,7 milhão de residências do estado, que são visitadas mensalmente por esses profissionais para aferição do hidrômetro.

Além disso, todas as caixas d’água que são abastecidas pela Compesa, principalmente no interior, serão inspecionadas para prevenir e eliminar focos. As ações foram estabelecidas pelo comitê interno da Compesa criado para determinar e coordenar medidas de combate ao Aedes nas áreas de atuação da companhia. O comitê é constituído por representantes de quatro diretorias da Compesa – Regional do Interior, Regional Metropolitana, Mercado e Atendimento e Articulação e Meio Ambiente – e por dois técnicos especializados em monitoramento das Secretarias de Saúde e Planejamento e Gestão.

Veja também:   Homem resgatado após sumir por 3 meses

A comissão, presidida pelo diretor de Articulação e Meio Ambiente (DAM), Aldo dos Santos. A Compesa é representada por seu presidente, Roberto Tavares. Na primeira reunião do comitê interno foi estabelecido que os leituristas, técnicos sociais e atendentes das lojas atuariam como agentes multiplicadores.

Quem ligar para o teleatendimento da Compesa (0800 081 0195 para atendimento geral e 0800 081 0185 para vazamento de água e esgoto) também será informado sobre os cuidados para não deixar água parada em casa.