Data Magna celebra o dia em que PE virou país
Melissa Fernandes // Arquivo Folha de Pernambuco

Por Folha de Pernambuco

Primeira experiência republicana da História do Brasil, a Revolução Pernambucana completa, neste 6 de março de 2024, 207 anos. O feriado estadual, conhecido como “Data Magna”, foi instituído como lei pela Assembleia Legislativa do Estado apenas em 2017. Ou seja, 200 anos depois da revolução.

Receba as manchetes do Farol de Notícias em primeira mão pelo WhatsApp ( clique aqui )

O contexto que fez Pernambuco virar uma República antes mesmo do Brasil data das guerras napoleônicas, no início do século XIX. Na época, a família real portuguesa acaba fugindo para o Brasil. Segundo o mestre em História Política, Filipe Domingues, é uma grande peculiaridade da história brasileira: nenhuma outra família real europeia residiu na colônia. E mais, depois que chegaram, não queriam voltar.

Maior produtor

Entre o hiato da mineração das Minas Gerais e o café de São Paulo, estava ele: o açúcar. O ativo colocou Pernambuco em uma posição de destaque no cenário econômico do País.  “Por 200 anos Pernambuco não foi o maior produtor de açúcar do Brasil. Pernambuco foi o maior produtor de açúcar do mundo”, assegurou o historiador.

Veja também:   Suspeito de assaltos é morto com tiros no rosto e nas costas no Sertão

O professor também afirma que parte disso ajudou a construir essa ‘autoestima megalomaníaca’ dos pernambucanos. “Para a gente tudo que foi primeiro e maior foi feito no nosso Estado.”

O fato é que, Pernambuco – que na época representava mais da metade do PIB do Brasil e dava sustentação à família real portuguesa – se rebelou em virtude do aumento de impostos promovido pelo governo central para bancar os gastos da Família Real, que residia na Corte, no Rio de Janeiro, e se mantinha afastada da realidade das províncias.

Inspirado por ideais iluministas, o movimento separatista tomou corpo para tomada do poder contra os desmandos da Família Real.

Veja também:   OMS reporta 780 casos de varíola do macaco em 27 países

Pernambuco virou uma república, livre da Coroa Portuguesa, por 74 dias. Foi o primeiro movimento que conseguiu tomar o poder contra as desigualdades sociais e regionais promovidas pelo governo central. Foi, também, o momento em que Pernambuco formou um novo país, com direito à bandeira, leis próprias e força armada.

“O clero, o comércio, os donos de engenho, os latifundiários e os militares. Todas essas forças se uniram para fazer da província de Pernambuco um país”, relembrou o historiador.

A República

A revolução, na avaliação do historiador, merecia um maior reconhecimento. “Infelizmente o que ficou para a História do Brasil foi a Inconfidência Mineira como grande exemplo de revolução. O que é uma coisa que nem aconteceu. Nem tomou as ruas. Enquanto Pernambuco se separou em 1817 e em 1824”, disse o professor em tom de brincadeira.

Para o historiador e diplomata recifense Oliveira Lima, inclusive, esta é “a única revolução brasileira digna do nome”. Durante 74 dias – de 6 de março a 20 de maio de 1817 – Pernambuco foi, de fato, uma república. Com direito à bandeira, leis e tudo.

Veja também:   Famoso ator japonês de "kabuki' é detido por suicídio da mãe

Constituição

Um dos marcos pioneiros do período foi a criação de uma “Lei Orgânica”, espécie de constituição provisória, feita na época. O texto era tido como moderno para a época, diga-se de passagem, por ter sido imbuída da influência das revoluções liberais da Europa e da Revolução Americana de 1775.

O texto trazia ideais hoje já estabelecidos como garantias e direitos individuais: liberdade de expressão, religiosa e de imprensa; a separação entre os poderes e uma maior participação popular nas tomadas de decisão.

Há quem diga, inclusive, que a revolta, inédita no Brasil até então, pode ser lida como o embrião da nossa democracia. Tendo em mente que o conceito de cidadão deles, na época, era outro.