Da ISTOÉ

A delegada e diretora adjunta do Departamento de Proteção aos Grupos Vulneráveis da Polícia Civil do Ceará, Ana Paula Barroso, foi barrada na entrada de uma loja de roupas no Shopping Iguatemi, em Fortaleza, e denuncia racismo por parte do segurança do local. As informações são do UOL.

Na última terça feira (14), Ana Paula foi proibida de entrar na loja de roupas Zara. No domingo (19), a Polícia Civil esteve no local para recuperar as imagens de vídeo do circuito interno de segurança.

Representantes do estabelecimento disseram que a ação foi tomada porque a delegada estava sem máscara e descumpria os protocolos contra a Covid-19.

De acordo com Ana Paula, o segurança a impediu de entrar na loja e alegou apenas “questões de segurança”, sem maiores esclarecimentos, apesar dela questionar as razões a ele.

Segundo a delegada Anna Nery, da Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) de Fortaleza, após a formalização da denúncia, foram feitas três tentativas de solicitação de imagens das câmeras de segurança junto a loja, mas elas foram negadas pelo estabelecimento.

O shopping cedeu imagens das áreas comuns do local, mas a Zara só liberou suas próprias imagens após mandado de busca concedido pela Justiça.

Ao UOL, a assessoria de comunicação da Zara afirmou que a delegada foi abordada por estar consumindo um sorteve na loja e não estar usando máscara. Após a abordagem, ela se sentiu ofendida e saiu do local.

O Shopping Iguatemi disse, em nota, que colaborou com as investigações cedendo de pronto as imagens das áreas comuns do centro de compras, e disse não compactuar “com quaisquer formas de discriminação ou demonstrações de preconceito racial”, além de reforçar que “cumpre todas as determinações dos decretos estaduais em relação a medidas sanitárias referentes à Covid-19”.