Foto: Arquivo

Publicado às 04h05 desta quinta-feira (12)

O ex-prefeito de Serra Talhada, Luciano Duque (PT), pré-candidato a deputado estadual, abriu o coração durante entrevista na Rádio Pajeú, em Afogados da Ingazeira, ao ser sabatinado pelo comunicador Nill Júnior, na última terça-feira (9). O ex-prefeito não fugiu do debate, fez o prognóstico de que pretende chegar a Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) com cerca de 50 mil votos, e ao ser provocado sobre a sua relação com a prefeita Márcia Conrado (PT), admitiu que tem pessoas, dentro do próprio governo, que vem tentando atrapalhar o seu diálogo com a prefeita.

“Tem gente tentando azedar a relação. Mas não são puxa sacos que vão me incomodar. Tem gente que quer me destruir. Mas isso não afeta minha relação com a prefeita. Se não concordo, mando mensagem direta”, afirmou, acrescentando que não se envolve na gestão,  que é dela, a não ser quando chamado a opinar.

Ainda durante a entrevista, Luciano Duque comentou a polêmica gerada em torno da assinatura da ordem de serviço da PE-365, com relação à paternidade da obra. O governo de Pernambuco vai investir mais de R$ 30 milhões para recupera a rodovia. Antes, nas redes sociais, o ex-prefeito chegou a postar um vídeo falando dos esforços que fez para a obra sair do papel. Em seguida, o deputado Sebastião Oliveira, também nas redes sociais, insinuou que o ex-prefeito estava querendo pegar carona, uma vez que teria sido ele a cravar, com o governador Paulo Câmara, que tudo saísse do papel.

“O que quis foi agradecer pela ação, mas não vou mais. Fiz ofícios pela importância da via desde Eduardo Campos. O gesto foi de agradecimento. Não sou pai nem postiço. Só quis bater palma e fui interpretado de forma diferente”. Em  resposta a Sebá disse: “não quero nem subir  no carro, nem carona quero pegar”, reforçou.

Veja também:   Pet Ker revoluciona mercado em Serra Talhada