Embaixador de Israel ataca Brasil e insinua que governo ajuda o Hezbollah

Foto: Agência Brasil/Divulgação (Embaixada de Israel)

Por Forúm

O embaixador de Israel no Brasil, Daniel Zonshine, de perfil extremista e que após ser ignorado pelo governo foi buscar apoio com o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), numa reunião realizada na Câmara, nesta quarta (8), com o líder radical e deputados da extrema direita, resolveu atacar diretamente o Brasil e fazer insinuações sobre a gestão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Em entrevista ao diário carioca O Globo, Zonshine deu a entender que o grupo Hezbollah, baseado no Líbano, teria integrantes se infiltrando no Brasil “porque aqui há quem os ajude”.

Veja também:   Trabalhadores nascidos em maio e junho recebem abono salarial

“O interesse do Hezbollah em qualquer lugar do mundo é matar os judeus. Se escolheram o Brasil, é porque tem gente que os ajuda”, afirmou o diplomata do Estado judeu.

Contrariado com a postura do governo liderado por Lula, que não apoiou Israel em sua empreitada que promove uma verdadeira matança de palestinos da Faixa de Gaza, a administração do primeiro-ministro de extrema direita Benjamin Netanyahu vem tentando arrastar o Brasil para o olho do furacão. Nesta tarde, uma confusa notícia de que a PF teria prendido pessoas no país que teriam relação com o Hezbollah, e que estariam planejando atentados contra a comunidade judaica daqui, gerou desconfiança entre especialistas no assunto. Até o Mossad, o temido serviço secreto israelense, veio a público e confirmou a tal história.

Veja também:   Polícia Militar prende suspeito de praticar assaltos próximo à UFRPE, em ST

Zonshine já havia causado mal-estar e uma ligeira crise diplomática por conta de seu perfil extremista e estilo “sem noção”. A reunião de hoje no Congresso Nacional, ao lado de Bolsonaro e de parlamentares ultrarreacionários, com a desculpa de apresentar supostos “vídeos exclusivos” dos ataques do Hamas ao território de Israel em 7 de outubro, já gerou um grave descontentamento no Planalto e no Itamaraty, sobretudo porque internautas vêm pedindo a expulsão do embaixador israelense do território brasileiro.