Dom Egidio Bisol, bispo da Diocese de Afogados da Ingazeira, deu um passo importante para mostrar que a Igreja Católica não está alheia aos reclames da população. Ele convidou os 17 prefeitos do Sertão do Pajeú para participar de um encontro nesta terça-feira (15), na cidade de Triunfo. Objetivo: debater propostas para a região. Com esta iniciativa, Dom Egidio segue o exemplo do saudoso Dom Francisco Mesquita, o ‘Profeta do Sertão’, que costumava cobrar dos prefeitos eleitos atitudes republicanas em benefício do povo. Confira esta breve entrevista concedida com exclusividade ao FAROL sobre o encontro:

FAROL DE NOTÍCIAS – O que estimulou a Diocese de Afogados da Ingazeira a reunir os prefeitos do Pajeú, em Triunfo, nesta terça-feira (15)?

DOM EGÍDIO – Na carta que enviei aos prefeitos eleitos, parabenizando-os pela confiança que o povo depositou neles e convidando-os para um encontro com os padres, eu dizia: “Somos servidores do mesmo povo, embora com as tarefas próprias de cada função. Podemos nos ajudar reciprocamente na grande tarefa de construir a sociedade justa, fraterna e solidária que todos almejamos, preocupados com o presente e o futuro da nossa região tão rica em cultura e fé”. O objetivo do encontro é juntar as forças para que nosso serviço ao povo do Pajeú seja mais concreto e fecundo.

FN – Quais serão os principais pontos do encontro e o que será cobrado dos prefeitos?

DE – O encontro quer ser um momento de “encontro”, não uma sessão de cobranças. Queremos nos ajudar a descobrir os caminhos melhores onde a diocese e as prefeituras podem colaborar a serviço do bem do povo. Obviamente o encontro será também ocasião para insistir sobre alguns pontos que interessam muito à Igreja porque são de interesse da sociedade. Por exemplo: a ética na gestão do que é de todos, a atenção preferencial às necessidades dos mais frágeis e vulneráveis, o estimulo à participação do povo na administração da coisa pública, o incentivo à grande riqueza cultural do Pajeú…

Veja também:   Líder da oposição em Mirandiba declara apoio à Marília

FN– O senhor  é otimista quanto a administração dos novos gestores?

DE – Quando se começa algo novo, a atitude que me parece mais construtiva é o otimismo. Pessimismo e derrotismo já matam as forças. Nosso povo cresceu em sua consciência política, se a maioria confiou nesses candidatos e os elegeu para serem os novos gestores dos municípios é sinal de que acreditam que eles realmente podem trazer algo novo e melhor para nossa região. E todos nós estamos prontos em ajudá-los com nossas sugestões, propostas, e também críticas quando necessário, para que o exercício do poder seja cada vez mais participativo e se coloque sempre mais a serviço do bem comum.