Do G1 Mundo

Jorge Sampaio, ex-presidente de Portugal que ocupou vários cargos na ONU, morreu nesta sexta-feira (10) aos 81 anos na capital Lisboa, anunciou a sua família à agência de notícias Lusa.

Sampaio sofria de graves problemas cardíacos e estava hospitalizado desde agosto. O político foi secretário-geral do Partido Socialista, prefeito de Lisboa e chefe do executivo português entre 1996 e 2006.

Nascido em Lisboa em 1939, em uma família de recursos, entrou para a política durante seus estudos de direito, quando liderou as greves universitárias de 1962 contra a ditadura de António Salazar (1932-1968). Assim que se tornou advogado, defendeu vários presos políticos.

Em 1978, quatro anos depois da Revolução dos Cravos que pôs fim à ditadura, Sampaio se filiou ao Partido Socialista fundado por Mário Soares (1986-1996), seu antecessor na presidência de Portugal.

Foi deputado durante muitos anos e, em 1989, tornou-se secretário-geral do partido. Neste mesmo ano, foi eleito prefeito de Lisboa com o apoio dos comunistas.

Derrotado nas eleições legislativas de 1991, vence, no entanto, a disputa presidencial de 1996 no primeiro turno. Supera Aníbal Cavaco Silva, que depois irá suceder-lhe na presidência (2006-2016).

Quando terminou seu segundo mandato como chefe de Estado, Sampaio, então com 66 anos, tornou-se enviado especial de uma iniciativa da ONU contra a tuberculose.

Depois disso, foi alto representante da Aliança das Civilizações, cujo objetivo era promover iniciativas para superar incompreensões entre culturas e religiões.

Nos últimos anos, Sampaio liderou uma rede internacional de apoio a estudantes sírios.

Veja também:   Moradores de bairro de ST cobram promessa de campanha