Família pede que crime em ST não vire estatística: 'Queremos justiça'

Foto: Arquivo Pessoal / cedida ao Farol de Notícias

Publicado às 05h29 desta quarta-feira (29)

A família do mototaxista José Erivaldo Siqueira, de 47 anos, vítima de latrocínio nesta segunda-feira (27) está mobilizando uma corrente pedindo que o caso não termine no esquecimento ou saia impune. Em contato com o Farol, a sobrinha do serra-talhadense que noticiou o seu desaparecimento, Cibele Pereira, declarou que os familiares não querem que o caso vire estatística.

“Estamos planejando fazer uma corrente pedindo por justiça. Nós queremos fazer alguma coisa, um pedido. As pessoas nos ajudando, mobilizando e compartilhando não cai no esquecimento para a polícia ver que nós da família e a sociedade queremos uma resposta. Nós vamos cobrar sim, porque ele não vai ser só mais um número para estatística”, enfatizou Pereira.

Veja também:   OPINIÃO: O infrutífero ato de nomear cidadãos pelo legislativo e o jogo de interesses

RELEMBRE O CASO

O caso do mototaxista corresponde ao segundo homicídio de 2023 na cidade. Erivaldo foi dado como desaparecido na manhã desta segunda-feira (27). Em menos de 24 horas o seu corpo foi encontrado às margens da PE-365, em Serra Talhada, na manhã desta terça-feira (28). O delegado municipal, Assis Moreira, afirmou que os suspeitos do crime fugiram em direção a cidade de Salgueiro com o veículo da vítima, uma Honda CG 125.

Polícia revela detalhes de perícia após latrocínio em ST

Corpo de mototaxista é encontrado Serra Talhada

Mototaxista de 47 anos desaparece em ST