Fenômeno ultra rápido: furacão Ian pulou da categoria 1 a 4 em 3 horasDo RFI por Leandra Felipe

 

O furacão Ian continua nesta quinta-feira (29) sua travessia pela Flórida. Depois de atingir o sudoeste do estado norte-americano na categoria 4, e provocar muitos estragos, o fenômeno atmosférico recuou para a categoria 1 na manhã de quinta-feira (29).

Os ventos provocados por Ian surpreenderam pela rapidez com que passaram de 56 km/h para 240 km/h, em um intervalo de pouco menos de 3 horas, na quarta-feira (28). Meteorologistas do governo norte-americano e cientistas apontam que esse evento súbito pode estar relacionado ao avanço das alterações climáticas.

Neste ano, a temporada de furacões, que vai de junho a novembro, tem sido considerada de baixa intensidade em número de eventos, em comparação com períodos anteriores. Entretanto, o movimento e o rápido crescimento do furacão Ian, o quarto da temporada, mostram como o surgimento de grandes furações mortais é incontrolável.

Veja também:   Mulher de 36 anos é encontrada morta em em rodovia de Exu, no Sertão de Pernambuco

Em pouquíssimo tempo, a tempestade tropical, formada no mar do Caribe, se transformou em um furacão de categoria 4, a penúltima na escala que vai de 1 a 5. Até então, somente 6% dos furacões apresentaram essa intensificação rápida.

Ian já é considerado um dos mais fortes a atingir a Flórida em toda a história. A chegada de furacões de categoria 4 ao Golfo do México não é comum, observam os meteorologistas. O último registrado foi o Charley, há 16 anos, que atingiu a costa leste na mesma categoria (4).

Ian tocou o solo norte-americano duas vezes, com ventos de 240 km/h. Pouco depois do meio-dia de quarta-feira, o furacão varreu o condado de Lee, próximo de Fort Meyers, uma região turística do estado conhecida por suas praias de areia branca, água quente e transparente. Após aterrissar, Ian começou a perder força e recuou, gradualmente, à categoria 1, com ventos de 120 km/h.

Veja também:   Confira a previsão de hoje (15/08) para seu signo

Inundações e danos

Na manhã desta quinta-feira (29), mais de duas milhões de residências, sobretudo as que estiveram na rota do furacão, estavam sem energia elétrica na Flórida. Milhares de casas estão alagadas, e uma embarcação que transportava 27 imigrantes cubanos naufragou. Três pessoas foram resgatadas com vida, quatro conseguiram nadar até a costa, mas 20 passageiros estão desaparecidos.

Há grande preocupação das autoridades com as inundações. A tempestade gerada pelo furacão sopra do oceano para a terra e empurra enormes quantidades de água para o interior das terras. Equipes de resgaste estão em alerta porque são justamente as inundações e os alagamentos que podem causar mais mortes, de acordo com o Centro Nacional de Furacões dos EUA.

Veja também:   Sem auxílio, família de ST clama por cesta básica

Algumas regiões da Flórida registram inundações de mais de 5 metros de altura. Um efeito que deve durar por mais tempo, embora o furacão tenha recuado à categoria 1. Um motivo extra que coloca as autoridades em alerta é que boa parte da população não saiu das áreas de maior risco, mesmo depois dos repetidos avisos.

Cientistas têm alertado que o aquecimento das águas dos oceanos e da temperatura terrestre tendem a aumentar a frequência de fenômenos meteorológicos extremos. Essa mudança de paradigma exige um reforço da capacidade de reação das autoridades, a fim de proteger as populações na rota desses furações.

Além do furacão Ian, o tufão Noru, que atingiu o Vietnã nesta quarta-feira (28), apresentou o mesmo padrão – uma explosão rápida na força dos ventos, passando da categoria 1 a 5, em poucas horas.