FGTS terá saques de R$ 1 mil e até R$ 8 mil autorizados

Do FDR

Trabalhadores podem fazer resgates do FGTS de até R$ 8 mil, optando pelo saque-aniversário. Criada em 2020, essa modalidade permite um saque anual no mês de nascimento do trabalhador.

No entanto, é importante esclarecer que há restrições em caso de demissão. Em caso de demissão, o trabalhador perde o direito ao saque total do FGTS, podendo retirar apenas a multa rescisória de 40%.

Uma nova rodada do saque-aniversário do FGTS será pago em abril e, a poupança corre o risco de ter o último pagamento efetuado no próximo mês. Isto porque, os debates acerca do fim desta modalidade se intensificam com o passar do tempo, recebendo cada vez mais o apoio do ministro do Trabalho e Emprego, Luiz Marinho. 

Mas enquanto não há um parecer definitivo, o resgate poderá ser feito pelos aniversariantes do mês de abril. Este grupo, caso ainda seja adepto ao saque por rescisão, já está autorizado a realizar a troca de modalidade pelo aplicativo do FGTS.

A solicitação pode ser feita até o dia 30 de abril. Enquanto isso, o período de saques para estes trabalhadores começa em 1º de abril e vai até 28 de junho. Abaixo você aprende a solicitar o saque-aniversário. Já neste link, eu selecionei todas as modalidades de resgate disponíveis pelo FGTS.

Veja também:   Saque-aniversário do FGTS será pago a novo grupo; veja os critérios

Quais são as regras de saque do FGTS?

O trabalhador deve cumprir as regras gerais do programa para fazer o resgate no mês de aniversário. Depois, é importante ter o conhecimento do saldo depositado em conta. É importante estar ciente de que, este modelo impede o trabalhador de realizar o saque rescisório do FGTS mesmo se ele for demitido sem justa causa.

Isso porque, o prazo de vigência do saque-aniversário pelo FGTS é de dois anos, período no qual ele fica impossibilitado de efetivar uma nova troca no modelo de resgate. Mas ainda assim, em caso de demissão sem justa causa, o trabalhador que optou pelo saque-aniversário continua tendo direito à multa rescisória de 40% sobre o valor depositado no fundo.

Como solicitar o saque do FGTS?

Quem tiver interesse em passar a se beneficiar do saque-aniversário do FGTS precisa:

  • Fazer o download do aplicativo do FGTS;

  • Fazer login com a conta vinculada à Caixa;

  • Selecionar a opção “Saque Aniversário”.

Veja também:   Fim do saque-aniversário? Entenda proposta do governo

Ao efetivar a escolha por este modelo de saque, é preciso permanecer vinculado a ele durante o período mínimo de 24 meses.

Calendário do saque do FGTS em 2024

Abaixo, confira o calendário do saque-aniversário do FGTS 2024:

  • Janeiro: de 02 de janeiro a 29 de março de 2024;

  • Fevereiro: de 01 de fevereiro a 30 de abril de 2024;

  • Março: de 01 de março a 31 de maio de 2024;

  • Abril: de 01 de abril a 28 de junho de 2024;

  • Maio: 01 de maio a 31 de julho de 2024;

  • Junho: de 03 de junho a 30 de agosto de 2024;

  • Julho: de 01 de julho a 30 de setembro de 2024;

  • Agosto: de 01 de agosto a 31 de outubro de 2024;

  • Setembro: de 02 setembro a 29 de novembro de 2024;

  • Outubro: de 01 de outubro a 31 de dezembro de 2024;

  • Novembro: de 01 de novembro de 2023 a 31 de janeiro de 2025;

  • Dezembro: de 02 de dezembro de 2023 a 28 de fevereiro de 2025.

Veja também:   Saque-aniversário: quem pode retirar o dinheiro

Principais mudanças no saque do FGTS em 2024

Um Projeto de Lei (PL) dispondo sobre essa mudança deve ser enviado ao Congresso Nacional para ser apreciado pelos parlamentares o quanto antes. A expectativa é para que o Executivo Federal agilize o processo e conclua o envio nos próximos dias.

Atualmente, o trabalhador adepto ao saque-aniversário do FGTS é autorizado a sacar apenas a multa rescisória de 40% em caso de demissão sem justa causa. A liberação do saldo integral seria capaz de injetar cerca de R$ 14 bilhões na economia do país, segundo estimativa do Ministério do Trabalho e Emprego.

Primeiramente, a proposta precisa ser analisada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva e, somente então, enviada ao Congresso Nacional. O chefe da pasta de Trabalho, Luiz Marinho, sempre se posicionou contra o saque-aniversário do FGTS, considerando a modalidade uma “sacanagem” com o trabalhador.

No entanto, considerando que o fim do saque-aniversário do FGTS poderia enfrentar resistências no Congresso Nacional, Luiz Marinho manifestou a intenção de revisar a medida.