Filhos do Gaúcho da Copa chegam ao Catar para acompanhar torneio: 'legado'Do G1

 

Se existe um “legado da Copa”, expressão com um quê irônico que ganhou o Brasil após a realização do torneio em 2014, ele pode ser traduzido na missão dos irmãos Frank e Gustavo Damasceno, de Porto Alegre. Eles são filhos de Clóvis Acosta Fernandes, o “Gaúcho da Copa”, que morreu em 2015, e buscam manter vivo o legado do pai.

Os irmãos só conseguiram chegar ao Catar na segunda-feira (28), quando o Brasil enfrentou a Suíça e venceu por um a zero. A rotina da dupla é retratada em um perfil no Instagram, os “Gaúchos na Copa” (@gauchosnacopa).

“Sobre representar a missão do pai, é tudo aquilo que a gente já sabia. O carinho que o povo tem, que todo mundo tem, de todos os lugares. Vêm nos dar abraço, nos parabenizar por ter mantido o legado”, diz Gustavo.

Veja também:   POLÍTICA: Duque rebate críticas de pedetista e defende cenário de progresso em ST
Gustavo, com o chapéu do Gaúcho da Copa, e Frank, de pé, no Catar — Foto: Arquivo pessoal

Gustavo, com o chapéu do Gaúcho da Copa, e Frank, de pé, no Catar — Foto: Arquivo pessoal.

 

O Gaúcho da Copa se tornou símbolo da torcida brasileira após seguir a seleção em sete mundiais. O primeiro foi em 1990, na Itália. Clóvis presenciou o tetra, em 1994 nos Estados Unidos, e o penta, em 2002, na Coreia do Sul e no Japão.

Nos mais de 60 países que percorreu e 150 jogos da seleção que acompanhou, uma de suas imagens mais conhecidas, no entanto, não foi festejando um título. Em 2014, após o Brasil sofrer sete a um da Alemanha, Clóvis apareceu na transmissão oficial com expressão triste segurando uma réplica da taça.

Veja também:   Mulher diz ter sido raptada há 30 anos e busca família
Morte de Gaúcho da Copa repercute em sites internacionais — Foto: Reprodução

Morte de Gaúcho da Copa repercute em sites internacionais — Foto: Reprodução.

 

No Catar, Gustavo diz que um torcedor brasileiro agradeceu emocionado pela presença dos irmãos e lembrou do pai, já falecido.

“Tudo vale a pena quando a gente tem esse tipo de relato, quando a gente recebe esse tipo de carinho e suporte. Isso nos motiva”, afirma.

A ida ao Catar foi viabilizada através de patrocínios. No Oriente Médio, os irmãos contam com a parceria de duas pessoas para produzir os conteúdos que vão para as redes sociais.

Veja também:   Acusado de atropelar e matar idoso é solto

Com 44 anos, Frank esteve em sua primeira Copa do Mundo em 1994, ao lado do pai. Já Gustavo, de 37 anos, estreou em 1998, na França. Após a morte de Clóvis, em decorrência de um câncer aos 60 anos, os irmãos estiveram na Rússia, em 2018.

Perfil dos "Gaúchos na Copa", mantidos pelos filhos do Gaúcho da Copa — Foto: Reprodução/Instagram

Perfil dos “Gaúchos na Copa”, mantidos pelos filhos do Gaúcho da Copa — Foto: Reprodução/Instagram.