Governo anuncia programa de reforma agrária em meio à pressão do MST
Foto: Manuela Hernandez/MST

Por Metrópoles

governo federal lançará, nesta segunda-feira (15/4), o programa Terra da Gente, que promete agilizar a política de distribuição de terras da reforma agrária. A medida ocorre em meio à pressão do Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST), que voltou a ocupar propriedades nos últimos dias.

A iniciativa será apresentada em uma cerimônia no Palácio do Planalto, com participação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), do ministro do Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar, Paulo Teixeira, e do presidente do Incra, César Aldrighi.

Veja também:   Nova etapa do Minha Casa Minha Vida beneficia 440 mil famílias

Receba as manchetes do Farol de Notícias em primeira mão pelo WhatsApp (clique aqui)

O programa cria prateleiras de terras, ou seja, conjuntos de áreas que podem ser disponibilizadas para o assentamento de famílias de agricultores. A estimativa do governo é que 295 mil famílias sejam atendidas até 2026.

Em paralelo, movimentos sociais pressionam pelo avanço da política agrária no país. No último fim de semana, o MST informou ter ocupado propriedades improdutivas em Campinas (SP), Crateús (CE), Parauapebas (PA) e Campos dos Goytacazes (RJ).

Veja também:   Mulheres vítimas de violência terão direito a auxílio-aluguel

Os principais fatos de Serra Talhada e região no Farol de Notícias pelo Instagram (clique aqui)

A movimentação faz parte das ações do Abril Vermelho, dedicado às mobilizações pela ampliação do acesso à terra. O mês relembra o massacre de Eldorado do Carajás, no Pará, quando uma ação da Polícia Militar deixou 21 trabalhadores rurais mortos enquanto protestavam pela reforma agrária.

As “prateleiras” compreendem terras nas seguintes situações:

  • já adquiridas;
  • em aquisição,
  • passíveis de adjudicação por dívidas com a União;
  • imóveis improdutivos;
  • imóveis de bancos e empresas públicas;
  • áreas de ilícitos;
  • terras públicas federais;
  • terras doadas e
  • imóveis estaduais que podem ser usados como pagamento de dívidas com a União.
Veja também:   Governo Lula quer baixar ainda mais a conta de luz