Reversão do direito ao aborto nos EUA provoca aumento da demanda por métodos contraceptivos de emergência

Do CNN

Ao esclarecer as orientações anunciadas na quarta-feira (13), nos Estados Unidos, o governo Biden diz que a lei federal não permite que as farmácias rejeitem as pessoas que têm receita para um medicamento que pode interromper uma gravidez.

O Escritório de Direitos Civis do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA enviou orientações a mais de 60.000 farmácias em todo o país com um lembrete de que, de acordo com a lei federal de direitos civis, a discriminação na gravidez é uma forma de discriminação sexual, e isso é ilegal.

“Estamos comprometidos em garantir que todos possam ter acesso aos cuidados de saúde, sem discriminação”, disse o secretário do HHS, Xavier Becerra, em comunicado à imprensa na quarta-feira. “Isso inclui acesso a medicamentos prescritos para saúde reprodutiva e outros tipos de cuidados”.

A lei federal se aplica a qualquer farmácia que receba assistência financeira federal, inclusive por meio de pagamentos do Medicare e Medicaid.

Um funcionário do HHS disse na quarta-feira que o Escritório de Direitos Civis recebeu muitas perguntas e possíveis reclamações após a decisão da Suprema Corte dos EUA de encerrar o direito constitucional ao aborto. O funcionário não conseguiu quantificar o número de ligações ou e-mails recebidos.

 

A orientação dá vários exemplos para definir como esse tipo de discriminação pode se dar, mas não abordou especificamente o aborto medicamentoso.

Os exemplos incluíam uma pessoa que tinha uma receita de um anticoncepcional de emergência para evitar que engravidasse depois de ter sido agredida sexualmente, bem como uma farmácia que vendia outros anticoncepcionais como preservativos, mas se recusava a fornecer uma receita para contracepção de emergência. Estes podem ser discriminação com base no sexo.

Veja também:   Márcia se empolga e diz que 'onda amarela' tomou conta de ST

Outro caso potencial poderia ser se uma farmácia se recusar a estocar ou preencher uma receita de metotrexato, um medicamento que reduz a dor e o inchaço em pessoas com artrite reumatoide, mas também pode interromper uma gravidez. Isso pode ser discriminatório com base na deficiência.

Mais um exemplo foi alguém com um distúrbio hemorrágico que está programado para um aborto cirúrgico e recebe prescrição de hemoglobina para diminuir o risco de sangramento durante o procedimento. Se a farmácia descobrir por que a pessoa está usando o medicamento e se recusar a aviar a receita, ela pode estar discriminando com base no sexo.

Várias associações profissionais disseram à CNN que estão cientes que as mulheres foram negadas a medicamentos de farmácias que tinham o potencial de interromper uma gravidez, mesmo que a prescrição fosse para uma condição que não tem nada a ver com a gravidez, como lúpus, artrite reumatoide e certos tipos de condições de pele.

Um porta-voz da Walgreens disse na quarta-feira que revisará as diretrizes.

“Nossa equipe de farmácia continuará trabalhando em estreita colaboração com os prescritores conforme necessário, para garantir que todos os medicamentos prescritos sejam dispensados ​​em conformidade com as leis e regulamentos farmacêuticos aplicáveis”, disse Fraser Engerman, diretor sênior de relações externas, por e-mail.

Protesto pró-aborto do lado de fora da Suprema Corte dos EUA / 03/05/2022 REUTERS/Yana Paskova

“Fornecemos treinamento e informações contínuas para ajudar nossos farmacêuticos a entender os requisitos mais recentes em sua área e, com esses suportes, a expectativa é que eles sejam capacitados para preencher prescrições legais e clinicamente apropriadas”.

Veja também:   Homem bêbado quebrou poltronas de avião

CVS disse que também avaliará as diretrizes.

A empresa disse que antes de um farmacêutico preencher uma receita para os medicamentos metotrexato ou misoprostol, “instruímos nossos farmacêuticos a validar que a indicação pretendida não é interromper uma gravidez”.

“Nossa maior prioridade é garantir o acesso seguro e oportuno aos medicamentos para nossos pacientes e entendemos o importante papel que as farmácias desempenham no apoio à saúde da mulher”, escreveu Amy Thibault, diretora principal de comunicações externas da CVS, por e-mail.

“Encorajamos os provedores a incluir seu diagnóstico nas prescrições que eles escrevem para ajudar a garantir que os pacientes tenham acesso rápido e fácil aos medicamentos”.

O HHS incentivou as pessoas que se sentem discriminadas a ligar ou registrar uma reclamação no site da agência. Isso inclui discriminação com base na gravidez atual, gravidez passada, gravidez potencial ou pretendida e condições médicas relacionadas à gravidez ou parto.

Mortalidade materna

Os EUA têm a maior taxa de mortalidade materna entre os países desenvolvidos, de acordo com o HHS, e a maioria das mortes maternas nos EUA são evitáveis.

Nas últimas duas décadas, as taxas de mortalidade materna aumentaram, de acordo com os Centros dos EUA para Controle e Prevenção de Doenças.

Desde a decisão da Suprema Corte em 24 de junho, mais de uma dúzia de estados estão em disputas legais sobre a proibição do aborto e outras leis que limitam estritamente o procedimento.

Veja também:   Ladrões fazem arrastão no bairro AABB; só ar-condicionados levaram sete

O governo Biden também tomou várias medidas em relação ao aborto após essa decisão.

Na sexta-feira, o presidente Joe Biden assinou uma ordem executiva para proteger o acesso ao aborto medicamentoso, privacidade do paciente e contracepção de emergência, e lançar esforços de educação pública.

Biden instruiu Becerra a apresentar um relatório sobre as ações que seu departamento está tomando para garantir o acesso aos cuidados de saúde reprodutiva. O HHS tomará medidas para expandir o acesso à contracepção de emergência e à contracepção reversível de longa duração, como dispositivos intrauterinos.

O procurador-geral Merrick Garland também emitiu uma declaração dizendo que os estados não podem proibir o mifepristone, um medicamento usado para interromper a gravidez precoce que tem aprovação da FDA.

Na segunda-feira, o governo Biden disse que a lei federal antecipa as proibições estaduais de aborto quando o atendimento de emergência é necessário e que o governo federal pode penalizar instituições ou provedores que não forneçam abortos conforme necessário para tratar emergências médicas.

A administração disse que exemplos de condições médicas de emergência incluem, mas não se limitam a, gravidez ectópica – quando o óvulo fertilizado cresce fora do útero da mulher – e complicações de abortos espontâneos. O tratamento estabilizador pode incluir o aborto.

Na terça-feira, o Departamento de Justiça dos EUA anunciou uma força-tarefa destinada a identificar maneiras de proteger os direitos reprodutivos.