pazO governo da Colômbia anunciou nesta quarta-feira (20) a libertação de 17 guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias (Farc) como parte dos esforços para inspirar mais confiança dos guerrilheiros em meio à negociação do acordo de paz entre as partes. Outros 13 também foram anistiados e devem deixar a prisão nos próximos dias, segundo informou a imprensa local.

Uma missão política da ONU vai verificar o desarmamento da guerrilha e o cessar-fogo definitivo na Colômbia. Esta missão internacional “iniciará seus trabalhos assim que tiver chegado a este acordo. Com relação à deposição das armas, o mesmo componente internacional a verificará nos termos e com as devidas garantias que serão estabelecidos nos protocolos do acordo”, disse um comunicado divulgado na terça-feira (19).

Veja também:   Aliado de Raquel Lyra em ST revela bastidor para vice de Márcia

“Os observadores internacionais gozarão de plenas garantias de segurança”, disseram as partes que, desde novembro de 2012, negociam em Havana o fim do conflito armado de mais de meio século na Colômbia.

O fim do conflito e implementação do referendamento dos acordos são os dois pontos que falta concluir na agenda de seis, acordada entre as duas partes no início das negociações.

Já foram acordadas a questão agrária, o cultivo e tráfico de drogas ilegais, a participação política dos guerrilheiros e a indenização das vítimas.

Veja também:   PMST ainda não ativou o Samu por não confiar no Governo Federal

O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, qualificou de “positivo” o acordo que traz a ONU para a verificação do desarmamento e do cessar-fogo. Além dos observadores da ONU, a missão será integrada por observadores de países membros da CELAC (Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos).

Do G 1