Greve dos rodoviários começa nesta quarta (26)

Foto: Alexandre Aroeira/Folha de Pernambuco

Por Folha de Pernambuco

O Sindicato dos Rodoviários faz um balanço positivo do início do primeiro dia de greve da categoria, que teve início à 0h desta quarta-feira (26). Segundo o presidente da entidade, Aldo Lima, a adesão ao movimento paredista é “forte”. A paralisação foi aprovada em assembleia na última quinta-feira (20) e mantida após rodadas de negociação com a classe patronal mediadas pelo Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região (TRT-6) esta semana.

Apenas 27% da frota dos ônibus em circulação estava em circulação às 6h, segundo informou o Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros no Estado de Pernambuco (Urbana-PE). O número não atende à exigência feita pelo Grande Recife Consórcio de Transporte, que é de 80% nos horários de pico e 50% nos fora pico.

Veja também:   Em ST, mulher enfia a faca na perna de outra

“Não existe 80% da frota hoje em dias normais, imagina hoje que é dia de greve”, rebate Aldo Lima, que completa: “O direito de greve é um direito garantindo. Não temos preocupação com essa questão da nota [do Grande Recife], estamos preocupados em manter a categoria forte, mobilizada e unida”.

Segundo Aldo Lima, a adesão à greve varia entre as empresas operadoras de ônibus. “Tem empresa que a gente conseguiu uma força maior, outras razoável. A adesão é forte”, garante o presidente do sindicato, que se queixa de motoristas freelancer, contratados pelas empresas de forma pontual para cobrir os profissionais em greve.

Veja também:   Homem transita com um pé de maconha em ST

Os próximos passos do Sindicato dos Rodoviários serão de discutir as táticas para seguir a greve. “Não tem negociação”, completa Aldo Lima. Algumas garagens chegaram a ser fechadas, bem como terminais. Longas filas são registradas em paradas e também nas integrações.

A categoria pede, entre outra reivindicações, reajuste salarial que chegue a 10% incluindo a inflação e o ganho real, e gratificação de R$ 500 ao motorista pelo acúmulo da função de cobrador — apesar de esta ser uma prática condenada pelo sindicato.

“A Urbana-PE reforça ainda que solicitou ao TRT-6 o julgamento do dissídio de greve e que envidará todos os esforços necessários para cumprir as determinações legais e para manter o serviço de transporte público por ônibus em operação com segurança e responsabilidade”, afirmou a Urbana-PE.

Veja também:   Bolsonaro hostiliza repórteres e segurança agride jornalistas