Da CNN

Foto: CNN

Mesmo quando as bombas começaram a cair, Yevhenia Khomenko não queria deixar sua casa em Kiev, na Ucrânia . “Prefiro morrer lá”, disse a ucraniana de 94 anos. Mas, eventualmente, tornou-se demais, e sua filha a convenceu a deixar a casa que ela conheceu toda a sua vida.

Quando Khomenko era criança, ela viveu a Grande Fome da Ucrânia – uma que matou milhões, impulsionada por Josef Stalin. Anos depois, ela fugiu de sua casa durante a Segunda Guerra Mundial quando seu país foi alvo de Adolf Hitler. Ela agora teve que fugir mais uma vez por causa de uma invasão motivada por Vladimir Putin.

Os ataques russos lembraram Khomenko dos bombardeios, tiroteios e violência durante a Segunda Guerra Mundial, disse ela à CNN. As bombas então, como são agora, eram imprevisíveis, e ela se lembra de correr para escapar delas. Khomenko retornou a Kiev após a Segunda Guerra Mundial para ajudar a reconstruir a praça principal da cidade, diz ela. Agora, está preocupada que a cidade nunca mais seja a mesma – e que, dada sua idade, ela nunca mais volte.

Sua filha de 73 anos, Raisa Makhnovets, também está preocupada com esse destino. Em meio às lágrimas, ela disse à CNN como foi difícil convencer sua mãe a deixar Kiev e como suas tentativas de fazê-lo rapidamente se tornaram um “filme de terror”.

Elas não tinham outra família na cidade e passaram dois dias em um abrigo antiaéreo antes de tentarem fugir do país de trem. A estação foi invadida por outros tentando fazer o mesmo.

“Eu simplesmente não conseguia acreditar no que estava realmente acontecendo. A estação de trem era assustadora”, disse Makhnovets, falando em russo, como muitos ucranianos fazem. “Tanta gente com seus filhos e coisas, realmente aterrorizante. O primeiro trem partiu sem nós, depois o segundo. Estava tão frio esperando lá durante a noite. Havia até bebês recém-nascidos”;

Veja também:   Laboratório desenvolve teste para detectar varíola dos macacos

Makhnovets disse que levou cerca de 20 horas para ir de Kiev a Lviv, na parte ocidental da Ucrânia, e depois para fora do país. Ela e sua mãe puderam então voar para os Estados Unidos com um visto que obtiveram anos atrás. Eles se reuniram na Califórnia (EUA) com cinco gerações de sua família.

“Dói na minha alma, pela minha casa, onde eu morava. Mas aqui é tranquilo, não ouço nada. Eu tenho uma casa, e quero ir para lá. Quero estar na minha própria casa. Mas o as circunstâncias nos forçaram a vir aqui. Onde for necessário para não ter que ver a guerra”, disse ela, em russo.

Raisa Makhnovets,e sua mãe, Yevhenia Khomenko / CNN
Seus sentimentos agora são similares aos de décadas atrás, mas em sua juventude, ela realmente não entendia a guerra da maneira que entende agora.

“Desejo-lhe uma boa vida e que não tenham que suportar o que tivemos que suportar. Espero que haja amizade entre nós e todos os povos”, diz ela à CNN;

Buscando refúgio nos Estados Unidos

No final de março, mais de 3,5 milhões de ucranianos foram forçados a abandonar as vidas que conheciam em busca de novas, mas apenas uma fração deles acabou nos Estados Unidos.

O governo Biden recentemente se comprometeu a receber até 100.000 ucranianos, mas até agora tem sido difícil para eles entrar nos EUA. Os poucos que conseguiram, tiveram sucesso através da fronteira mexicana.

É “muito mais complicado e diferente do que o esperado”, disse Julia Bikbova, advogada de imigração que nasceu e cresceu na Ucrânia e recentemente visitou a fronteira mexicana. Ela disse à CNN que quase todos os ucranianos com quem conversou disseram a ela: “Seu presidente anunciou que você está aceitando refugiados, é aqui que estamos”.

De outubro de 2021 a fevereiro, havia pouco mais de 1.300 ucranianos ao longo da fronteira sul dos EUA, segundo dados da patrulha de fronteira. Os dados sobre os ucranianos que entraram nos EUA no mês passado serão divulgados em abril, informou o Departamento de Segurança Interna.

Veja também:   Salernitana evita rebaixamento e ativa cláusula para compra de Mikael

Embora o cronograma do compromisso de Biden ainda não esteja claro, a estrutura atual para obter o status de refugiado pode levar anos. Assim, muitos optaram por passar pelo México, onde não é necessário visto, embora possam ter que “convencer as autoridades em Cancun de que estão lá de férias”, disse Bikbova. “Ninguém está voando de Frankfurt ou Varsóvia para Tijuana”, acrescentou.

Aqueles que chegam aos Estados Unidos, por meio de liberdade condicional humanitária ou de outra forma, encontram familiares ou pessoas como Vadym Dashkevych: um pastor nascido na Ucrânia que serve na Igreja Ucraniana Spring of Life em Sacramento, na Califórnia.

Pastor Vadym Dashkevych ajuda refugiados ucranianos nos EUA
Dashkevych e outros voluntários nos Estados Unidos recebem famílias ucranianas e as ajudam a se estabelecer em várias cidades.

Em uma semana deste mês, Dashkevych disse à CNN, ele ajudou sete famílias a encontrar pelo menos um lar temporário na área de Sacramento. “A melhor maneira de tratá-los é levá-los para dentro de nossas famílias e para as famílias americanas”, disse Dashkevych.

Ele também trabalha com advogados e outros serviços de apoio para ajudar essas famílias em seu futuro de longo prazo: começar uma nova vida sob céus tranquilos, longe da guerra que as perturbou tão repentinamente.

“A partir de hoje, isso não é apenas guerra, há mais. Eles estão apenas matando pessoas. Pessoas comuns. As escolas, o jardim de infância, os hospitais e tudo mais”, disse Dashkevych à CNN. “Vai ser doloroso. Vai levar anos e anos para passar”.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.