DSC_0281

Fotos: Farol de Notícias / Alejandro García

A cerimônia de entrega da Farmácia Municipal de Serra Talhada aconteceu no início da noite dessa quinta-feira (22), reunindo o prefeito Luciano Duque, vereadores da base governista, secretários de governo, lideranças e diversos funcionários comissionados da prefeitura. O FAROL acompanhou o a entrega do novo equipamento que homenageia, Adalberto de Barros Primo, um dos mais famosos farmacêuticos da história da Capital do Xaxado. Em discurso, a secretária de Saúde, Márcia Conrado, enfatizou que a farmácia garantirá os medicamentos e ainda trará conforto à população. Já Duque falou novamente das dificuldades que o governo tem passado para manter as contas em dia e disse que seu governo ‘não passa calote’.

Veja também:   Carlos já revela estratégia de campanha: vai comparar seus 8 anos contra os 4 de Luciano Duque

A Farmácia Municipal é um projeto do vereador Barbosa Neto, que também sugeriu o nome do homenageado, que discursou contanto um pouco da história de Adalberto de Barros. “De 1958 a 1992 ele manteve a farmácia, foi o segundo farmacêutico da cidade os médicos da época tinham admiração pelo seu trabalho e o seu conhecimento”.  Agradecida, a neta do farmacêutico, lembrou da paixão que o avô tinha pelo município. “Eu acho que a homenagem foi muito merecida, porque meu avô amava demais essa cidade e eu acho que muitas gerações passaram pela mão dele, só não consultava mais porque não queria fazer concorrência com os colegas médicos”, declarou.

Veja também:   Prefeito é denunciado por mostrar partes íntimas a garotos

DSC_0223

SEM CALOTE

Garantindo fidelidade aos servidores da prefeitura, Duque diz que arriscou a própria gestão para pagar funcionários. “Reconheço que estamos tendo dificuldades, estamos atrasando alguns compromissos? Estamos, mas temos a responsabilidade e a coragem de dizer isso em público. Nós vamos cumprir com esses compromissos, porque nós não somos daqueles que passam calote em funcionário. Quando eu assumi, eu olhei e vi os servidores sem salários e eu não exitei em pagá-los, mesmo sabendo que ia causar prejuízos a minha gestão”, disse Duque, arrematando:

Veja também:   AGU é contra afastamento de parlamentares pelo STF

“Eu entendi que nós íamos apertar o cinto e construir ao longo dos quatro anos uma solução para o problema. Não estou aqui querendo criticar nenhum antigo gestor, pelo contrário. Talvez tenham sido surpreendidos com crise, como eu estou sendo hoje”.


DSC_0107 DSC_0196 DSC_0199 DSC_0225 DSC_0247DSC_0271DSC_0283DSC_0111DSC_0108DSC_0104