Investigadores do Ministério Público são sequestrados
Presidente da Colômbia, Gustavo Petro – Foto: Juan Barreto/AFP

Por Folha de Pernambuco

Dois investigadores do Ministério Público da Colômbia foram sequestrados no sudoeste do país pelo Estado-Maior Central (EMC), maior facção das dissidências das Farc que rejeitaram o acordo de paz de 2016, informaram autoridades neste sábado.

Os rebeldes admitiram que sequestraram os funcionários com uma acompanhante ontem, na zona rural do município de Santander de Quilichao, departamento de Cauca, e que os reféns passam bem.

Receba as manchetes do Farol de Notícias em primeira mão pelo WhatsApp (clique aqui)

Segundo os dissidentes, os investigadores “foram surpreendidos em um posto de controle e registro com duas armas carregadas, além de dispositivos eletrônicos para colher informações”.

Veja também:   Governo da Colômbia liberta 17 guerrilheiros das Farc em meio a processo de paz

“Esperamos, por meio de órgãos internacionais, que se possam gerar as condições de segurança para a sua libertação”, acrescentou a organização.

O Ministério Público condenou “a retenção inaceitável” e pediu “respeito à vida e integridade” das vítimas.

O governo de Gustavo Petro tenta há mais de um ano renegociar a paz com os dissidentes. Uma série de ataques contra civis e a força pública em meio à trégua firmada no fim do ano passado esgotou a paciência do presidente.

Os principais fatos de Serra Talhada e região no Farol de Notícias pelo Instagram (clique aqui)

Os diálogos começaram a se diluir no mês passado, quando o governo decretou o fim do cessar-fogo bilateral em três departamentos do sudoeste do país, após o assassinato de uma líder indígena pelos rebeldes.

Veja também:   Multidão quebra rua após boato sobre ouro em rede de esgoto

Em 2022, a inteligência militar estimava a força do EMC em cerca de 3.500 combatentes. A organização obtém receita do narcotráfico e da mineração ilegal.