O prefeito do Recife, João Campos (PSB), reiterou, nesta quarta-feira (6), que pretende pôr em prática um plano de vacinação municipal próprio contra a Covid-19 caso o Ministério da Saúde “não faça sua parte”.

Em entrevista à TV Globo Recife, o gestor afirmou que o município pode adquirir as vacinas e aplicar as doses, de forma prioritária, em 600 mil pessoas do grupo de risco que moram na Cidade.

“O Recife tem 1,6 milhão de habitantes. Quando recortamos os grupos de risco, são 600 mil pessoas, é o grupo prioritário. Tem como fazer a aquisição e podemos bancar isso”, disse João Campos.

Durante a transição de cargo, após ser eleito, João anunciou a criação de um comitê municipal de combate ao coronavírus, com dois eixos: diálogo com o Governo Federal e com o Plano Nacional de Imunização.

“Cabe ao Ministério [da Saúde] a aquisição e distribuição das vacinas. Mas não podemos aguardar que isso aconteça. Se o ministério simplesmente decidir não fazer, não vou achar que isso é normal. Vou dar início ao nosso plano próprio, que prevê toda logística, estrutura, aquisição de insumos necessários e um dos itens é a aquisição da vacina”, completou o prefeito do Recife.

Gestão

Ainda segundo João Campos, nesta quarta-feira, será realizada a primeira reunião do núcleo de gestão da Prefeitura do Recife. Esses encontros semanais reunirão secretarias de caráter decisório.

Um dos pontos abordados nesta primeira reunião será justamente o plano municipal de vacinação.

Além da Covid-19, a reunião deverá debater pontos como a Cultura da Cidade e o suporte aos artistas e eixo produtivo do Carnaval – suspenso pelo Governo do Estado em dezembro.

Veja também:   Flores, no Sertão, mantém tradição do carro de boi