Jovem é presa após arrancar dedo de policial com mordida

Do G1

Uma mulher de 26 anos foi presa suspeita de agredir e xingar um subtenente e um sargento da Polícia Militar (PM) durante uma abordagem em uma distribuidora de bebidas, em Aparecida de Goiânia, na Região Metropolitana da Capital. Segundo a corporação, o subtenente, de 50 anos, teve parte do polegar direito arrancada pela mulher, que mordeu a mão do policial durante uma luta corporal. A companheira da mulher, de 21 anos, também foi presa por agredir o militar.

O caso ocorreu no último sábado (4), no setor Colina Azul, mas foi divulgado apenas nesta terça-feira (7). O advogado de defesa das suspeitas, Gabriel Celestino Saddi, afirmou que elas agiram em legítima defesa, visto que a autora da mordida estava sendo agredida pelo militar por filmar a abordagem no estabelecimento. A companheira da suspeita, por outro lado, teria agredido o policial para defender a mulher.

Veja também:   Cachorro é dado como morto em hotelzinho e aparece vivo dias depois

O g1 procurou a PM para saber se a corporação irá investigar a conduta do militar, mas a corporação não respondeu a solicitação até a última atualização desta matéria.

Ainda de acordo com o relato da PM, os militares tentaram abordar as mulheres no local, mas não foram bem recebidos pela dupla. A suspeita mais velha e autora da mordida, inclusive, teria questionado o subtenente sobre a abordagem antes de agredi-lo e, consequentemente, arrancar parte do seu polegar.

Na ocorrência policial conta que a suspeita fumava enquanto dizia, em conjunto com a mais jovem, que o subtenente e o parceiro não eram competentes e que deveriam ir para outros locais. Em dado momento, a mulher chegou a soprar a fumaça no rosto do militar, que acabou dando voz de prisão as duas mulheres.

Veja também:   Santa Cruz vence Globo-RN e lidera Grupo 3 da Série D

No momento em que a mulher de 26 anos era algemada, a jovem de 21 anos entrou em luta corporal com o militar. Na tentativa de se defender, conforme a PM, o militar colocou as mãos na frente do rosto. Neste momento, ele teve o dedo decepado. As mulheres e o subtenente chegaram a cair no chão, mas a luta continuou até que o parceiro do militar conseguisse controlar a situação.

As mulheres foram encaminhadas à Central de Flagrantes de Aparecida de Goiânia, já o militar precisou ser encaminhado ao hospital. Segundo a corporação, ele precisou levar pontos no dedo, que não teve como ser restaurado, além de passar por exames.

Veja também:   Com Nordeste fora do foco do PPI, governo Temer cria grupo de trabalho para Nordeste