Do Diario de Pernambuco 

A atriz e apresentadora Antônia Fontenelle fez uso dos termos “paraíba” e “paraibada” nas redes sociais e foi alvo de críticas da ex-BBB Juliette Freire, da cantora Elba Ramalho e do deputado estadual Pedro Cunha Lima (PSDB-PB). Antônia criticava o DJ Ivis, flagrado agredindo a ex-esposa Pâmella Holanda, nas redes sociais, quando escreveu que “esses paraíbas fazem um pouquinho de sucesso e acham que podem tudo.”

Juliette Freire não gostou do que leu e criticou Antônia, que tentou se justificar num stories. Ela argumentou que paraíba é uma “força de expressão para quem faz ‘paraibada’, como por exemplo bater em mulher”, disse.
A ex-BBB rebateu, mais uma vez, a influenciadora digital: “Não é força de expressão, é xenofobia. Não existe ‘ser paraíba’ e ‘fazer paraibada’. Existe ser paraibano (a), o que sou com muito orgulho. Tire seu preconceito do caminho, que vamos passar com a nossa cultura e não vamos tolerar atitudes machistas e xenofóbicas de lugar algum.”
A cantora Elba Ramalho engrossou o coro contra a fala de Antônia Fontenelle e lembrou que “paraibada não existe e xenofobia é crime. Paraibada não, paraibanos com muito orgulho.”
O deputado Pedro Cunha Lima (PSDB-PB) fez um post repudiando o comentário de Antônia e escreveu “paraibada não existe, pegue sua xenofobia e vá se lascar”.