Da CNN

Foto: Reprodução/Facebbok

O Museu da Diversidade Sexual, localizado na região central da cidade de São Paulo, foi fechado neste sábado (30) por tempo indeterminado por determinação de uma decisão judicial que acatou a denúncia de irregularidades envolvendo a organização social que gerencia o local. A informação foi confirmada pela instituição e pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo.

A denúncia foi feita pelo deputado estadual Gil Diniz (PL), conhecido como “Carteiro Reaça”, que questionou a destinação de verbas ao museu.

Em nota, a secretaria informou que vai recorrer da decisão liminar, pois considera essencial o desenvolvimento de políticas de visibilidade da cultura LGBTQIA+.

“A secretaria ressalta que a seleção da organização social responsável pela gestão do Museu da Diversidade Sexual seguiu a legislação vigente e todas as normas de convocação pública. Ela aconteceu entre outubro e dezembro de 2021 e a organização social escolhida apresentou toda a documentação necessária”, informou.

O Museu da Diversidade Sexual, criado em 2012, é a primeira instituição do tipo na América Latina.

Manifestação

No Instagram, o perfil da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo disse que o “museu não pode fechar e precisa voltar às mãos da comunidade LGBT+”.

Veja também:   STJ absolve inocente após erros em reconhecimento fotográfico