Do Diario de Pernambuco

O governo Boris Johnson advertiu, nesta sexta-feira (18), que poderá retomar o confinamento em toda Inglaterra para conter a pandemia de coronavírus, observando que as taxas de hospitalização estão dobrando a cada oito dias.

“Queremos evitar um confinamento nacional, mas estamos preparados para fazer isso, se necessário”, disse o ministro da Saúde, Matt Hancock, à rede BBC.

“Estamos preparados para fazer o que for necessário, tanto para proteger vidas, quanto para proteger a economia”, disse ele, alertando que novas restrições serão adicionadas às já impostas a partir desta sexta-feira em partes do nordeste da Inglaterra.

O Reino Unido é o país da Europa mais afetado pela pandemia, com mais de 41.700 mortes confirmadas por Covid-19. E o número de novos casos está atingindo níveis que não eram vistos desde abril.

“Também vimos, com tristeza, que o número de pessoas hospitalizadas com coronavírus está dobrando a cada oito dias, então, temos que agir”, frisou Hancock.

De acordo com a imprensa local, conselheiros científicos do governo propuseram um confinamento geral em toda Inglaterra por duas semanas, em outubro, para coincidir com as férias escolares inglesas.

A partir da próxima segunda-feira (21), estão proibidas reuniões com mais de seis pessoas, exceto no caso de escolas, locais de trabalho, locais de culto e eventos esportivos.

E, a partir de hoje, em várias cidades do nordeste da Inglaterra que somam quase dois milhões de habitantes, é proibido o encontro entre pessoas que vivam em casas diferentes, e todos os locais de entretenimento terão de permanecer fechados entre 22h e 5h.

Diante do aumento das infecções, alguns jornais afirmam que o governo considera estender essas regras a todo país antes de outubro.