Do G7

 

A situação na maior usina nuclear da Ucrânia “está completamente fora de controle” e está ficando mais perigosa a cada dia, alertou o chefe da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA).

Rafael Grossi disse que a comunicação “irregular” das instalações de Zaporizhzhia e a incapacidade de sua organização de visitar o local eram profundamente preocupantes.

“O que está em jogo é extremamente grave e extremamente grave e perigoso”, disse ele.

A AIEA não tem certeza se a usina, que agora está em território controlado pela Rússia, mas está sendo administrada por funcionários ucranianos, está recebendo todas as peças necessárias para operar adequadamente, já que seu fornecimento de equipamentos foi afetado pela guerra.

Veja também:   'Golpe da Moto' faz serra-talhadense perder R$ 6.500

“Todos os princípios de segurança nuclear foram violados”, disse Grossi sobre o local, acrescentando que sua organização precisa verificar urgentemente se o material nuclear de Zaporizhzhia está sendo protegido.

Ele pediu à Ucrânia e à Rússia que permitam que especialistas cheguem à fábrica para avaliar a situação o mais rápido possível.

A usina estava passando por um “catálogo de coisas que nunca deveriam acontecer em nenhuma instalação nuclear”, ressaltou o diretor-geral da AIEA.

“E é por isso que venho insistindo desde o primeiro dia que temos que poder ir lá para realizar essa avaliação de segurança e proteção, fazer os reparos e ajudar como já fizemos em Chernobyl”, disse ele.

Veja também:   Carreata dá início as ações da Lei Maria Da Penha em Serra Talhada

Grossi disse que a presença da agência “será um impedimento para qualquer ato de violência contra esta usina nuclear.

“Então, estou pedindo como funcionário público internacional, como chefe de uma organização internacional, estou pedindo a ambos os lados que deixem esta missão prosseguir.”

Os temores sobre um desastre nuclear semelhante ao acidente de 1986 em Chernobyl cresceram quando a Rússia capturou a usina logo depois que ela invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro.

Relatórios sugeriram que os russos danificaram um prédio administrativo enquanto tomavam a instalação. Os reatores não foram afetados pelo ataque.

Grossi visitou Chernobyl em 27 de abril e twittou que o nível de segurança era “como uma ‘luz vermelha’ piscando”.

Veja também:   Vacinação contra covid-19 para crianças de 3 anos

Mas ele disse que a AIEA montou “uma missão de assistência” em Chernobyl naquela época “que tem muito, muito sucesso até agora”.

Ele agora está pedindo uma visita semelhante a Zaporizhzhia “para evitar que um acidente nuclear aconteça”, disse Grossi.