Márcia abre o coração ao Farol e rebate críticas sobre viagens

Publicado às 18h47 desta segunda-feira (31) – Foto: Arquivo Farol/Celso García

A prefeita Márcia Conrado abriu o coração em entrevista ao programa Falando Francamente, na TV FAROL no YouTube, e rebateu críticas de opositores que apontam que suas viagens à frente da Amupe (Associação Municipalista de Pernambuco) estariam deixando Serra Talhada “abandonada”.

Márcia disse que vê tais ataques com tranquilidade, mas que partem de um pequeno grupo de pessoas que não querem enxergar o quanto o seu governo está trabalhando. Márcia Conrado também citou a questão de gênero, afirmando que por ser mulher tem enfrentado a desconfiança e o preconceito dos opositores.

“Essa questão dessas críticas, dessas viagens, eu lembro de quando Luciano Duque foi questionado por tentar pavimentar essa união Brasilía-Serra Talhada, e conseguiu muitos investimentos com isso, para além de todos os investimentos que estamos conseguindo, para mim é uma honra ser a primeira presidenta da Amupe de Serra Talhada. É você ter a confiança de 183 prefeitos, do Governo do Estado e do Governo Federal, então, o que digo sempre é o seguinte: eu não compreendo esse questionamento dessas viagens”, disse a prefeita.

Veja também:   Sebastião nega ter sido nomeado na Alepe

“A gente sabe que aqui a gente executa, mas aqui a gente não tem o dinheiro suficiente para fazer o que está no planejamento, a gente tem que fazer essas viagens e essas viagens não começaram por mim. São tantos vereadores que têm que ir para congresso mensalmente em busca de mais conhecido, e o que eu vejo são essas críticas infundadas de quem não tem o que falar, porque ‘ah, sou presidenta da Amupe, fico segunda ou terça na Amupe’, mas com uma conversa muito clara na minha casa, eu decidi abdicar da minha vida pessoal durante esse primeiro período”.

Veja também:   Homem cai da moto e é levado para o Hospam

Márcia abre o coração ao Farol e rebate críticas sobre viagens

“É UM GRUPO MUITO PEQUENO QUE FAZ A CRÍTICA”

“Gostaria de deixar muito claro aqui: às vezes eu acho que por ser mulher, por ser a primeira prefeita de Serra Talhada, ser a primeira prefeita a presidente a Amupe, com uma representatividade muito forte no estado de Pernambuco, a gente sofre esses preconceitos de gente que torce para dar contra, mas não vê o quanto a gente trabalha… E ninguém vê isso, por quê? Porque não querem acreditar! A gente vê que é um grupo muito pequeno que faz essas críticas”, afirmou a gestora.

“EU NÃO TENHO TEMPO DE CRITICAR, POIS ESTOU TRABALHANDO”

“Eu vejo que somos uma uma novidade e tudo que é noviadade incomoda um pouco. E no meio político tem que estar abertos a essas críticas, agora incomoda um pouco porque muitas vezes são infudadas. Dizer que Márcia abandonou Serra Talhada depois que se tornou presidente da Amupe, não! A gente deu uma visibilidade nacional a Serra Talhada, em menos de 2 meses a gente anunciou mais de R$ 100 milhões do governo federal para nossa terra! Será que isso conseguiríamos apenas como prefeita de Serra Talhada? Quantas e quantas vezes a gente vai discutir no Governo do Estado algo sobre outros municípios e acaba trazendo algum recurso para Serra? Então eu vejo muito isso: essa ansiedade de fazer a crítica pela crítica. Isso Luciano [Duque] sofreu quando ia a Brasília quando começou a pavimentar isso, e quais foram os resultados? Positivos. Então eu enxergo com muita tranquilidade, e sempre digo que quem não tem muitas ações para mostrar critica, por que eu não vivo criticando A, B ou C? Porque eu não tenho tempo, porque eu estou trabalhando para o meu povo”.

Veja também:   Boninho se emociona com saída de Gil: ‘A gente te ama’

VEJA O TRECHO DA ENTREVISTA NA TV FAROL