Publicado às 10h23 desta segunda-feira (28)

No próximo dia 7 de abril o município de Serra Talhada ganha uma subsede do Sindicato dos Hospitais de Pernambuco (SINDHOSPE) que vai coordenar ações nas regiões dos sertões do Pajeú, Moxotó e Central. Na linha de frente vai estar o médico serra-talhadense Clóvis Carvalho, um dos mais conceituados do estado.

Nesse final de semana, Dr. Clovinho, como é mais conhecido, revelou algumas prioridades à frente da subsede, e elencou prioridades.

“A grande carga tributária. Precisamos envolver a bancada da saúde para aprovar uma lei que reduza a carga tributária para os prestadores privados do Sistema Único de Saúde (SUS). O congelamento das tabelas de procedimentos de determinados convênios e do SUS; bem como, o excessivo atraso nos pagamentos. Precisamos articular com a bancada da saúde a indexação da tabela SUS e dos convênios privados a um índice de reajuste oficial. Pois, com o surgimentos das grandes redes e a verticalização dos planos de saúde, os hospitais de menor porte serão engolidos pela negociação direta”, explicou o médico.

Ainda durante a entrevista ao Sindhospe, Clóvis Carvalho defendeu o piso salarial para enfermagem, e lamentou os atraso nos repasses para os hospitais privados.

“Quanto ao atraso de pagamentos, será imprescindível a nossa união para articularmos com a diretoria uma conversa franca com os compradores de saúde. Depois da conversa e do prazo, sem outra alternativa, teremos que suspender o atendimento. Pois, não podemos bancar planos de saúde e receber a produção meses ou até anos depois, sem qualquer reajuste, quando o dinheiro já perdeu o valor. Também é necessário falar sobre a aprovação do PL 2564/20 que cria o novo piso da Enfermagem. Não estamos contra o novo piso da enfermagem. Trata-se de uma categoria que é merecedora e imprescindível na cadeia produtiva da saúde. Mas, do ponto de vista financeiro,  é uma realidade que o setor não conseguirá absorver. Trata-se de um impacto de R$ 16 bilhões a nível nacional. Portanto, é necessário que haja uma compensação por parte do governo federal tipo desoneração da folha de pagamentos como está sendo pleiteado. Caso contrário, inexoravelmente haverá um colapso do setor”, reforçou.

Veja também:   Distrito de Santa Rita realiza festa em ST