Médicos em Gaza fazem cirurgias e amputações sem anestesia

Ashraf Amra/Anadolu via Getty Images

Por Metrópoles

A Organização Mundial da Saúde (OMS) continua com seus apelos para o trabalho de profissionais em hospitais da Faixa de Gaza. Em uma fase da guerra entre o grupo extremista Hamas, que comanda a região, e Israel, o organismo internacional aponta que mais de 16 especialistas “morreram em serviço”, enquanto cuidavam de feridos e doentes.

Segundo Christian Lindmeier, representante da OMS, alguns médicos em Gaza fazem operações, como amputações, sem anestesia, tamanha é a carência sem material necessário para esse tipo de cirurgia.

“São as pessoas que mantêm o sistema de saúde em funcionamento por meio da dedicação. Eles encontraram uma forma de manter algum nível de serviço em funcionamento”, afirmou Lindmeier, em uma coletiva de imprensa.

Veja também:   Covid-19 chega na Antártica

A situação, porém, tende a continuar péssima. Um porta-voz do Ministério da Saúde de Gaza disse ao site Al Jazeera ter sido avisado pelo exército israelense para esvaziar Hospital Infantil al-Rantisi. Israel, porém, não confirmou a informação.

De acordo com as autoridades de Gaza, há cerca de 70 crianças no Hospital al-Rantisi, mas, no total, o local abriga 1 mil pessoas deslocadas no norte do território. Muitos pacientes não se encontram estáveis o suficiente para a transferência.

O Hospital Al-Rantisi seria financiado pelos EUA e é onde se encontra a única enfermaria de câncer pediátrico de Gaza.

Veja também:   Contadora suspeita de desviar mais de R$ 1 milhão

Crise se estende por Gaza

A crise humanitária se estende para diversos outros hospitais e cidades. Um porta-voz da Sociedade do Crescente Vermelho Palestiniano (PRCS), braço da Cruz Vermelha no território, afirma que a Faixa de Gaza foi “deixada sozinha” para enfrentar a maior crise humanitária até então.

Segundo a organização, 16 dos 35 hospitais não estão funcionando e outros também entrarão em colapso assim que ficarem sem combustível.

“A comunidade internacional deve permitir a entrada ininterrupta de ajuda humanitária em Gaza, incluindo combustível”, disse Nebal Farsakh, representantes da PRCS, ao site Al Jazeera.

Veja também:   Augusto César diz que Sebastião é intempestivo e que ninguém o conhece como deputado federal

A PRCS administra o Hospital al-Quds. A unidade ainda funciona, mas sofre com a falta de medicamentos e combustível. E como fica no norte do território, a dificuldade ainda é maior, uma vez que a ajuda humanitária só entra para o sul.

“Combustível significa vida agora. Estamos a horas do fechamento total de todos os hospitais”, argumenta Farsakh.