Do G1

A morte do ex-jogador argentino Diego Maradona foi capa dos mais importantes jornais ao redor do mundo nesta quinta-feira (26).

O craque argentino, lenda do futebol mundial, sofreu uma parada cardiorrespiratória em sua casa na cidade de Tigre, região metropolitana de Buenos Aires, na quarta-feira (25).

O corpo do jogador é velado na Casa Rosada, sede do governo da Argentina, que está em luto oficial de três dias após a morte.

Argentina

Na Argentina, os jornais “La Nación” e “Clarín” dedicaram suas primeira páginas inteiras ao maior ídolo do esporte no país. O primeiro, com um retrato do jogador brincando com uma bola de futebol e a manchete “Obrigado, campeão”.

Já o “Clarín” traz Maradona erguendo a taça da Copa do Mundo de 1986 e a manchete “Não vai ter nenhum igual”. O jornal traz ainda um relato com as “quatro últimas horas de vida” do astro que “viveu até o limite”.

Itália

Na Itália, onde Maradona jogou pelo Napoli, o “Corriere Della Sera” dedicou a maior parte de sua primeira página à morte do jogador, e o chamou de “gênio rebelde que jogou o melhor futebol”.

Outro jornal do país, o “La Reppublica”, estampa sua manchete “O futebol vai para o céu” com uma grande foto do jogador, de costas, saudando a torcida em sua camisa de número dez.

Espanha

Na Espanha, o jornal “La Vanguardia”, editado em Barcelona onde Maradona primeiro jogou na Europa, o “Pibe de Oro” sorri em uma foto que relembra sua primeira vez no Camp Nou, em 1982. A publicação chama o jogador de “lenda do futebol mundial”.

Já o “El País”, que traz o registro de Maradona que erguendo a taça da Copa do Mundo de 1986, chama o argentino de “deus do futebol” e apresenta sua trajetória “mitológica” e “cheia de excessos”.

Veja também:   Hospam, em ST, vive dias de crise com falhas no atendimento à Covid-19

Portugal

Em Portugal, o jornal “Público” chamou Maradona de “deus imperfeito” e também escolheu por retratá-lo com a vitória argentina sobre a Alemanha na final da Copa do Mundo de 1986, no Estádio Azteca, na Cidade do México.

EUA

Nos Estados Unidos, país onde o futebol não é tão popular, a morte de Maradona teve menor destaque na imprensa local. No entanto, o “Los Angeles Times”, publicação de uma área com forte presença latina, o jogador foi lembrado como “herói do futebol argentino”.

Mesmo o “The New York Times” trouxe o jogador argentino na capa. “Gênio atormentado do futebol” foi como decidiram chamar o ídolo do futebol mundial em um pequeno quadro no fim da primeira página.