Da CNN

Foto: Vasco Cotovio/CNN

Oksana Kostychenko caminha por um caminho estreito, até o seu jardim em Borodianka, cidade próxima a Kiev. Os canteiros de flores de um lado são surpreendentemente bem organizados, contrastando com a destruição ao redor.

Perto de seu galpão de jardim está o corpo de um homem deitado de bruços com um saco na cabeça e as mãos amarradas atrás das costas. Suas calças estão puxadas para baixo. Há grandes hematomas na perna esquerda e um grande ferimento na cabeça. Ao lado de seu corpo há uma única cápsula de bala.

“Ele foi executado com um tiro na cabeça”, disse um oficial da Polícia Nacional Ucraniana. Não há documentos sobre o homem, mas as autoridades no local dizem que todas as indicações mostram que ele foi outra vítima civil da guerra do presidente russo, Vladimir Putin.

Borodianka era o lar de 13.000 pessoas antes da guerra, mas a maioria fugiu após a invasão da Rússia. O que restava da cidade, depois de intensos bombardeios e ataques aéreos devastadores, foi então ocupado pelas forças russas, que chegaram em 28 de fevereiro.

Yuriy Pomin ainda estava na cidade quando o ataque russo começou. “A parte mais assustadora foi quando seus aviões chegaram. Eles estavam voando sobre nossas casas e jogando bombas”, disse Pomin à CNN.

Hoje, o homem de 33 anos está limpando seu apartamento no quarto andar. O prédio de vários andares ao lado dele foi demolido por um ataque russo, e ele está movendo o que sobrou de seus pertences para outra casa fora da cidade. “Eu não posso ficar aqui”, disse ele. “Não é seguro.”

A ocupação russa de um mês deixou uma marca devastadora na cidade. Não só foi quase totalmente destruída por ataques de longo alcance – com edifícios reduzidos a meras pilhas de escombros – mas as forças russas usaram algumas das casas como seu próprio quartel.

Veja também:   Opas registra 33 casos de misteriosa hepatite infantil nas Américas

Kostychenko e seu marido Oleksand fugiram quando o bombardeio começou, apenas para retornar depois que a cidade voltou ao controle ucraniano em 1º de abril.

Enquanto sua casa estava aparentemente intocada pelo pesado bombardeio que destruiu Borodianka, ela foi saqueada por dentro. Roupas e garrafas descartadas estão espalhadas pelo chão. Eles encontraram seu pássaro de estimação morto em sua gaiola.

“O álcool está em toda parte; garrafas vazias no corredor, embaixo das coisas”, disse o homem de 44 anos. “Eles (os russos) fumavam muito, jogavam cigarros na mesa. Usavam a roupa de cama como sua”. A maioria dos móveis estava danificada ou destruída, assim como a TV.

“Eles fizeram tudo o que queriam”, disse Kostychenko. “Nossas jóias foram levadas. Não passam de saqueadores”.

Lojas próximas também foram saqueadas, com janelas quebradas e seu conteúdo roubado ou espalhado pelo chão.

A letra “V”, abreviação de Vostok (que significa ‘leste’ em russo) – e um símbolo usado pelo distrito militar oriental da Rússia em conjunto com a letra “Z”, um emblema da chamada “operação militar especial” de Moscou – foi pintado em edifícios, veículos e postos de controle.

O escritório local de desemprego e a prefeitura foram fortificados e transformados em quartéis-generais para as tropas russas estacionadas na cidade. Ambos também foram cobertos em V’s.

Borodianka foi um ponto de partida para as unidades russas que avançaram em Kiev através de subúrbios como Bucha e Irpin. Eles enfrentaram forte resistência das forças ucranianas e foram forçados a recuar.

Restos de equipamentos russos destruídos agora cobrem as cidades e vilas ao redor da capital , e os buracos de raposas e as posições de artilharia foram deixados quase intocados.

Veja também:   'Supremacia branca é um veneno', diz Biden sobre massacre

As autoridades impuseram um toque de recolher em toda a região de Kiev até 7 de abril, pedindo aos moradores que permaneçam dentro de casa enquanto realizam operações de busca e desativação de minas terrestres.

Moscou negou ter visado civis, mas voluntários estão trabalhando com a polícia para recolher os corpos de civis mortos deixados ao ar livre. “Estamos reunindo pessoas que foram baleadas pelos russos. Civis que foram torturados. Estamos trabalhando há dois dias”, disse Hennadiy Avramenko, 45 anos.

A CNN assistiu Avramenko e seu colega extraírem o corpo de um ucraniano de 44 anos de um carro. Ele foi atingido no coração enquanto dirigia, com seu carro batendo em uma vala ao lado da estrada.

“Psicologicamente, é difícil”, disse Avramenko. “O pior é que não estamos encontrando soldados, apenas pessoas inocentes. Foram baleadas sem motivo”, acrescentou.

Os voluntários pegam mais dois corpos no espaço de uma hora. Um deles era o cadáver carbonizado de uma pessoa atingida por uma bala de artilharia, o outro um idoso que foi baleado enquanto andava de bicicleta.

“(Segunda-feira) pegamos sete pessoas e (ao meio-dia de terça-feira) já estamos em seis”, disse Avramenko.

Dentro e ao redor de Borodianka, as autoridades estão apenas começando a vasculhar o que resta da maioria dos edifícios, sabendo que continuarão a encontrar cadáveres. Apesar da retirada do exército de Putin de sua cidade, os moradores de Borodianka temem que a destruição que semearam durará meses, se não anos.